Retorno de viagens intermunicipais no Ceará pode aumentar contágio entre municípios, apontam especialistas

Retorno de viagens intermunicipais no Ceará pode aumentar contágio entre municípios, apontam especialistas


O transporte intermunicipal de passageiros no Ceará está autorizado a retornar a partir de sexta-feira (10), segundo decreto publicado pelo Governo do Estado no último sábado (4). A medida integra a Fase 3 de retomada das atividades. Especialistas e secretários de saúde, porém, apontam risco de aumento da circulação do novo coronavírus entre Fortaleza e o interior cearense.

O retorno das viagens pode acelerar o chamado “efeito bumerangue”, risco identificado pelo Comitê Científico de Combate ao Coronavírus no Nordeste, em boletim divulgado neste mês. Sérgio Rezende, um dos coordenadores do grupo, aponta que foi justamente “pelas estradas do estado” que o vírus chegou ao interior. “Pessoas nos municípios menores adoecem, não têm um sistema de saúde tão bom, voltam às capitais e fazem com que casos e mortes aumentem de novo”, analisa.

Medidas de segurança
O reforço das equipes de saúde e instalações hospitalares, a implantação de barreiras sanitárias nas estradas e o decreto de lockdown em municípios com situações mais críticas são medidas sugeridas pelo Comitê.

Quanto ao transporte intermunicipal, Sérgio Rezende indica que “os ônibus limitem o número de passageiros”, e que “todos sejam obrigados a usar máscaras”. Além disso, “oferecer álcool em gel na entrada dos transportes” deve ser cuidado complementar para evitar a disseminação da Covid-19.

Newton Fialho, gerente da Socicam, empresa que administra o Terminal Rodoviário Engenheiro João Tomé, maior de Fortaleza, afirma que um plano de biossegurança é adotado desde o início da pandemia nos espaços do equipamento, com instalação de pias, totens de álcool em gel e intensificação da limpeza.

As medidas sanitárias no interior dos veículos de transporte coletivo, contudo, cabem a cada uma das empresas. “Elas adotarão protocolos individuais, conforme as regras de reabertura, e a fiscalização caberá aos órgãos estaduais. Se os passageiros tiverem consciência, o retorno será tranquilo”, pontua.

G1