Rússia diz que vacina contra Covid-19 levou à produção de anticorpos na 1ª fase de testes

Rússia diz que vacina contra Covid-19 levou à produção de anticorpos na 1ª fase de testes


A Rússia anunciou neste domingo (12) que concluiu a primeira fase de testes de uma vacina contra a Covid-19 que começou a analisar no mês passado. O governo diz que os primeiros resultados foram satisfatórios e que, caso os testes continuem tendo bons resultados, a produção para imunização poderia começar já em setembro.

O Ministério da Defesa do país diz que os 38 voluntários envolvidos na 1ª fase de testes tiveram resposta imunológica com a vacina. Ainda são necessárias, entretanto, mais duas rodadas de testes: uma está prevista para 28 de julho e a outra, para 14 e 15 de agosto.

O objetivo dos primeiros testes era avaliar a segurança da vacina, o que foi feito com sucesso, afirmou Alexander Lukashev, diretor do Instituto de Parasitologia Médica, Tropical e Doenças Transmitidas por Vetores da Universidade Sechenov, em Moscou, à agência de notícias russa "Sputnik".

Os testes com a vacina começaram em 18 de junho, quando o primeiro grupo, de 18 voluntários, recebeu a imunização em sua forma liofilizada (a liofilização é uma espécie de "desidratação da vacina", que estabiliza a molécula). Cinco dias depois, no dia 23, mais 20 pessoas receberam a dose, também deste tipo.

Todos os participantes ficaram em isolamento desde que receberam a vacina. O primeiro grupo será liberado na quarta-feira (15) e o segundo, em 20 de julho, segundo Vadim Tarasov, diretor do Instituto de Medicina Translacional e Biotecnologia da Universidade Sechenov.

Alguns participantes tiveram febre e dor de cabeça, mas os sintomas desapareceram em menos de 24 horas, segundo a universidade.

Segundo a Universidade Sechenov, a Rússia está trabalhando em 17 vacinas contra a Covid-19, das quais 3 ou 4 devem entrar em produção.

Globalmente, das 19 vacinas experimentais contra Covid-19 em testes com humanos, só duas estão em testes finais de fase 3 -- uma da chinesa Sinopharm e outra da AstraZeneca e da Universidade de Oxford, que tem parte do teste realizada no Brasil. A chinesa Sinovac Biotech deve se tornar a terceira em fase 3 no final deste mês, também com testes no Brasil.

G1