Fechada há um ano, cadeia pública de Santa Quitéria está abandonada após transferência dos presos

Fechada há um ano, cadeia pública de Santa Quitéria está abandonada após transferência dos presos


Prédios recém-construídos abandonados, patrimônio público sendo dilapidado, imóveis do estado servido de locais para o consumo de drogas e de motel. Esta é a realidade no Sistema Penitenciário do Ceará, onde presídios estão abarrotados de presos na Grande Fortaleza e dezenas de cadeias públicas fechadas e deixadas ao abandono. A denúncia já está no âmbito do Ministério Público Estadual e do Conselho Penitenciário Nacional, órgão do Ministério da Justiça e da Segurança Pública.

O fechamento de dezenas de cadeias públicas no Interior do Ceará aconteceu por decisão do atual titular da Secretaria da Administração Penitenciária do Estado (SAP), Luís Mauro Albuquerque, policial civil do Distrito Federal. Ao assumir o cargo no começo de 2019, Albuquerque tomou uma série de medidas drásticas para “redisciplinar” o Sistema Penal do Ceará, dominado por facções criminosas e palco de constantes fugas, rebeliões e mortes.

Entre as várias decisões do novo secretário, o fechamento ou interdição de dezenas de cadeias públicas e pequenos presídios no Interior. Na época, o governado do estado anunciou que, com o fechamento das cadeias públicas, seriam construídos presídios regionais para receber a massa carcerária do sertão cearense. Já o destino das cadeias antigas ficou sem resposta. Resultado disso, o abandono do patrimônio público e dinheiro público jogado fora.

Várias unidades estão nesta situação. São exemplos, as cadeias  dos Municípios de Milhã, Santa Quitéria, Amontada, Acaraú, Cruz e Umirim. São prédios considerados modernos e que foram construídos há menos de quatro anos, com verbas estaduais e federais.


A Cadeia Pública de Santa Quitéria foi “fechada” por determinação do secretário Mauro Albuquerque em junho do ano passado, dias após a fuga de cinco detentos. Na época, a unidade contava com 79 internos, que, à exemplo de muitas outras cidades, teve seus presos transferidos para as Casas de Privação Provisória da Liberdade (as chamadas CPPLs), que fazem parte dos Complexos Penitenciários de Aquiraz e Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza.

A Cadeia de Santa Quitéria foi inaugurada em 26 de janeiro de 2010 pelo então secretário da Justiça do Estado, Marcos Cals, com previsão de abrigar até 51 detentos, contado na sua estrutura com uma guarita na entrada principal, quatro guaritas externas, recepção, recepção de presos, despensa, administração, cozinha, refeitório, lavanderia, sanitário masculino e feminino, alojamento dos agentes penitenciários, secretaria, parlatório, sala de vistorias, além de salas de aulas e oficinas.

Ao ser fechada no ano passado, a cadeia de Santa Quitéria estava com superlotação de internos. O prédio, porém, é considerado novo nos padrões do Sistema Penitenciário do país. Está abandonado, sem nenhuma reutilização pelo estado.

Outras unidades penitenciárias antigas também foram desativadas e estão ao abandono do estado. Exemplo disso é a Colônia Agrícola Penal de Santana do Cariri, que hoje foi deixada para trás, com notícias recentes do roubo de estacas, arames. Agricultores da região invadiram o local, colocando seus animais e derrubando e cortando as cercas. Patrimônio público desperdiçado e dilapidado pela omissão dos gestores públicos.

Fernando Ribeiro