Homem joga gás tóxico em pedreiros após se sentir incomodado pelo barulho da obra

Homem joga gás tóxico em pedreiros após se sentir incomodado pelo barulho da obra


Homem que jogou gás tóxico em funcionários de uma obra em prédio na região nobre de São Paulo está sendo investigado por lesão corporal e por colocar em risco a vida de outras pessoas. Um dos funcionários relatou que chegou a vomitar sangue, após inalar o gás, apontado como tóxico por especialistas. Ao ser questionado se faria algo diferente, o Wilson Moreira da Costa, que mora no apartamento embaixo de onde a obra está sendo feita, afirmou que não mudaria nada. 

O caso ocorreu na última segunda-feira, 10, quando o morador do condomínio nos Jardins, irritado com barulho provocado pela obra, jogou a substância em quatro pedreiros que trabalhavam no local. Segundo o professor de engenharia química do Centro Universitário FEI, Ronaldo Gonçalves, o produto é um forte repelente inseticida, que pode causar irritação da mucosa ocular, na pele e em vias respiratórias, além de desencadear crises graves respiratórias e cardíacas, com possibilidade de óbito.

Além disso, há suspeita de que o produto seja ilegal. O gás identificado pela polícia está sendo periciado, segundo informou a delegada Zuleika Gonzalez, que coordena a investigação. Wilson, morador do prédio que jogou o gás, disse que comprou o produto nos Estados Unidos, para ser utilizado em defesa pessoal

“Eu joguei o gás embaixo da porta para ver se parava aquela barulheira que estava me deixando maluco. O gás que eu utilizei não era um gás contagioso, nem um gás que produzia qualquer efeito de intoxicação", disse ao Fantástico. "O que eu fiz não foi crime, foi uma atitude em resposta a outra atitude", disse Wilson.

O encarregado da obra, no entanto, afirma que a reforma no prédio fazia barulhos “normais”. Os funcionários relatam que, na segunda-feira, escutaram um barulho vindo do corredor, que veio seguido de uma nuvem branca, com cheiro de produto químico. “Eu colocava a camiseta na boca para tentar puxar o ar", completa o ajudante geral Jairo Neves da Silva.

"Eu acabei inalando mais produto. E acabou sangrando muito, e acabei vomitando até sangue", disse outro funcionário, Maurício José da Silva, que trabalhava como ajudante geral na obra.

G1