Máscaras distribuídas para alunos da rede pública em Manaus se tornam meme por serem grandes demais

Máscaras distribuídas para alunos da rede pública em Manaus se tornam meme por serem grandes demais


A Secretaria de Educação do Amazonas distribuiu máscaras para os estudantes da rede pública, como forma de ajuda-los a se prevenirem contra o coronavírus, mas a ação acabou motivando piadas e memes na internet, alguns feitos pelos próprios alunos.

Internautas chegaram a comparar o tamanho desproporcional do artefato às mochilas gigantes, distribuídas a estudantes da educação infantil, na cidade baiana de Jequié, em 2017.

Entre as brincadeiras, algumas demostraram uso incorreto das máscaras, cobrindo os olhos, e não sobre o nariz e a boca, como recomendado.

Também houve casos de aluno cobrindo todo o rosto, outro de uma colega fazendo a sobrancelha da outra, desrespeitando o distanciamento estabelecido para o retorno às aulas.

Em nota, Governo do Amazonas informou que durante todo o processo de retorno às aulas presenciais, as equipes da Secretaria de Educação são responsáveis pela orientação da necessidade do uso correto das máscaras e obrigatoriedade da mesma dentro da sala de aula. “Não é permitida a entrada de estudantes sem máscara. [...] Quanto às normas de distanciamento dentro das escolas, todas as unidades estão sinalizadas e orientadas a evitar aglomerações inclusive com as quadras esportivas e áreas comuns fechadas. Em relação a área externa da escola, a Secretaria de Educação também orienta a necessidade de evitar aglomerações na frente da escola, mas não é responsável pelos estudantes a partir da saída", diz a nota do governo, divulgada pelo portal G1.

As aulas presenciais retornaram na segunda-feira (10), após 146 dias suspensas por conta da pandemia do novo coronavírus. O Amazonas foi o primeiro estado do país a retomar as atividades nas escolas públicas.

O estado chegou a observar colapso no sistema de saúde pública e no sistema funerário, por conta da pandemia de Covid-19, que já infectou mais de 107 mil amazonenses e matou mais de 3 mil no estado do Norte do país.