MP diz que Padre Robson usava “laranjas” e empresas de fachada para lavar dinheiro

MP diz que Padre Robson usava “laranjas” e empresas de fachada para lavar dinheiro


O Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) constatou que o Padre Robson e a Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe) faziam o uso de “laranjas” e empresas de fachadas para desviar recursos oriundos de doações de fiéis e lavar dinheiro da entidade. As informações são do G1.

De acordo com as investigações, padre Robson “criou várias associações com nome de fantasia Afipe ou similar, com a mesma finalidade, endereço e nome, e que, por meio de alterações estatutárias, gradativamente, assumiu o poder absoluto sobre todo o patrimônio das Afipe”.

O sacerdote comandava a Afipe desde 2004, mas, na última sexta-feira (21/8), pediu afastamento das funções após o MP deflagrar a Operação Vendilhões, que apura suspeita de desvio de R$ 120 milhões de doações de fiéis.

Padre Robson começou a ter o nome envolvido em escândalos ainda em 2017, quando surgiu uma denúncia de extorsão. Naquele ano, um hacker pediu R$ 2 milhões para não revelar um suposto caso amoroso do religioso. No sábado (22/8), o religioso se disse inocente e afirmou que “sempre carregou cruzes”.

Segundo o Ministério Público do estado, houve uma série de depósitos, pagamentos e negociações da associação com empresas de comunicação, postos de combustíveis e pessoas físicas. Padre Robson e a Afipe são investigados pelos seguintes crimes:

  • Apropriação indébita;
  • Lavagem de dinheiro;
  • Falsificação de documentos;
  • Sonegação fiscal; e
  • Associação criminosa.

As investigações do Ministério Público de Goiás mostram que as doações recebidas pela Afipe giram em torno de R$ 20 milhões por mês e chegam de vários estados do país. Em 10 anos, a associação teria movimentado R$ 2 bilhões.

A defesa de padre Robson afirmou que a associação sempre fez investimentos para aumentar a renda da instituição.