Programa que substituirá o Minha Casa Minha Vida terá menor taxa de juros para o Nordeste

Programa que substituirá o Minha Casa Minha Vida terá menor taxa de juros para o Nordeste


O Governo de Jair Bolsonaro lançou nesta terça-feira (25), o programa habitacional Casa Verde e Amarela que irá substituir o Minha Casa, Minha Vida. Dando prioridade para as regiões Norte e Nordeste, a nova proposta pretende contar com a taxação de juros em menor escala, de 4,25% ao ano para essas regiões e de 4,5% para as demais regiões do País. Segundo o governo federal, de início a medida buscará regularização fundiária, melhoria habitacional e redução da taxa de juro para o setor para a menor patamar da história.

O Casa Verde e Amarela nasce com o objetivo de atender mais de 1 milhão de famílias de baixa renda com o financiamento habitacional até 2024, segundo o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR). O Governo Federal comunicou que o programa tem o objetivo de atender novas famílias, que estavam fora do sistema de financiamento habitacional.

O novo programa entrará em vigor a partir de uma medida provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira. Com isso, o Congresso precisará chancelar as novas regras.

Taxas reduzidas
De acordo com as informações, as regiões Norte e Nordeste serão as únicas contempladas com a redução nas taxas em até 0,5 ponto porcentual para famílias com renda de até R$ 2 mil mensais, e 0,25 para quem ganha entre R$ 2 mil e R$ 2,6 mil. Nessas localidades, os juros poderão chegar a 4,25% ao ano para cotistas do FGTS e, nas demais regiões, a 4,5%. No MCMV, os juros partiam de 4,75% ao ano. O programa também beneficia o Norte e Nordeste por possibilitar que uma parcela mais abrangente de famílias seja beneficiada, com rendimento de R$ 2,6 por mês. Nas outras regiões, o valor de é de R$ 2 mil. 

Aportes da União
Além da novidade, há também uma previsão de aporte de R$ 2,4 bilhões do Orçamento Geral da União para o próximo ano, que será destinado a garantir a continuidade de obras de 185 mil unidades habitacionais contratadas, a retomada de 100 mil residências e os empreendimentos de urbanização em andamento.

Diário do Nordeste