Fraudes no auxílio emergencial: governo recuperou 0,8% do dinheiro

Fraudes no auxílio emergencial: governo recuperou 0,8% do dinheiro


Até agora, o sistema criado pelo governo de devolução voluntária de devolução do auxílio emergencial indevido recuperou R$ 340,8 milhões. Esse valor é 0,8% do rombo total de R$ 42 bilhões estimado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) sobre as fraudes. As informações são da reportagem publicada hoje pelo jornal Folha de S.Paulo.

Segundo o Ministério da Cidadania informou ao jornal, até agora 202 mil pessoas emitiram guias de recolhimento para  devolver os valores aos cofres públicos. Ao todo, R$ 340,8 milhões foram recuperados pelo governo.

O TCU afirma que o auxílio emergencial tem sido pago a pessoas com renda mensal maior que a permitida pelo programa (R$ 522,50 por indivíduo ou R$ 3.135 por família). Essa estimativa, cruzada com dados do IBGE, indica que 8 milhões de famílias receberam o auxílio sem o devido enquadramento no critério de renda.

Também por volta de 6 milhões de mulheres estariam recebendo o  auxílio emergencial em cota dupla por se declararem chefes de família, mas, na verdade, não se encaixariam nos critérios.

Como mostra a reportagem da Folha, o IBGE estima que haja 3,2 milhões de mulheres responsáveis pelo sustento da família e 1,2 milhão de mães solteiras. Porém, o governo processou e liberou o pagamento em dobro para 10,5 milhões de mulheres que declararam fazer parte desse perfil. Também foram identificadas famílias com mais de dois membros recebendo auxílio, o que proibido.

O total gasto com desses dois grupos de fraude é de R$ 42,1 bilhões, segundo estima o TCU. Esse montante corresponde a 16,5% dos R$ 254 bilhões referentes às cinco primeiras parcelas de R$ 600 do auxílio. O total do gasto pode subir, já que o governo autorizou recentemente o pagamento de mais quatro parcelas de R$ 300 no auxílio emergencial.

Brasil Econômico