Interior do Ceará registra aglomerações em eventos políticos

Interior do Ceará registra aglomerações em eventos políticos


Com aglomerações proibidas no Estado devido a pandemia do novo coronavírus, o final de semana registrou inúmeras situações de desrespeito às regras sanitárias e ao distanciamento social com a realização das campanhas eleitorais. 

Com o prazo das convenções já no fim, o descumprimento às normas de Saúde agora ocorre em eventos que deveriam ser exclusivos aos convencionais de cada agremiação, mas que têm sido estendidos ao púbico. 

Com as taxas de casos ainda elevadas no País, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) publicou medidas para a realização das convenções. Entretanto, o interior do Estado apresentou inúmeras irregularidades por lideranças políticas que convidam os eleitores a participarem.  

No início do final de semana, ainda durante a sexta-feira, a Polícia Militar (PM) foi acionada para dispersar uma multidão que participava da convenção partidária do PP em Martinópole, que lançou o ex-prefeito James Bel como candidato ao pleito deste ano no município. O evento, que ocorria em um local privado, atraiu centenas de pessoas - o que não é permitido pelo decreto em vigência. 

A PM declarou por meio de nota emitida, que irá comunicar a Justiça Eleitoral sobre o ocorrido, bem como a Polícia Judiciária e Ministério Público.

Outra convenção que causou aglomeração foi a do MDB, neste domingo (13), no município de Viçosa do Ceará para oficializar a candidatura do atual prefeito Zé Firmino à reeleição. Na ocasião, foram registrados desrespeito ao distanciamento social e uso irregular de máscaras de proteção por pessoas no local.

No último sábado (12), o evento de oficialização da candidatura da situação de São Benedito também atraiu muita gente. Lá, a chapa é do PDT, com o atual vice, Saul Maciel, lançado como candidato a prefeito e Chiquinho da Rodoviária (PCdoB) como candidato a vice. O evento contou com a presença do atual gestor, Gadyel Gonçalves (PCdoB).

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado (SSPDS) foi procurada para se pronunciar sobre as ocorrências, entretanto o órgão deixou bem claro que a fiscalização também cabe aos municípios.

Diário do Nordeste