Linha férrea que corta o centro de Itapipoca será retirada

Linha férrea que corta o centro de Itapipoca será retirada


Para quem é morador de Itapipoca, a linha férrea da Transnordestina Logística é um antigo problema. Entretanto, esse obstáculo está prestes a ser removido. Foi o que informou a Justiça Federal no Ceará (JFCE) nesta semana. 

A linha que divide a cidade ao meio e passa por mais de 20 ruas, próximo a casas, lojas e imóveis públicos e históricos, é um risco permanente de acidente",  segundo a Procuradoria geral do Município. 

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a Transnordestina Logística S.A e a Prefeitura de Itapipoca estão trabalhando juntas para à remoção dos trilhos atualmente existentes no núcleo urbano. Segundo a decisão, "o fluxo de trem é diário, com longas composições de transporte de carga, entre Sobral, Crateús e Fortaleza, passando por Itapipoca".

A decisão é do juiz federal Marcelo Sampaio Pimentel Rocha, da 27ª Vara da subseção de Itapipoca, que concedeu prazo de 90 dias para realização de levantamento georreferenciado para delimitar área atualmente ocupada pelos trilhos e os imóveis de seu entorno; e de 180 dias para elaboração de um projeto de construção do desvio da linha férrea, contornando o perímetro urbano.


Em nota, a Ferrovia Transnordestina Logística (FTL) disse que recorrerá da decisão: 

A decisão judicial excede os limites do que é discutido no processo, especialmente, porque se trata de ação de reintegração de posse movida pela concessionária por força do contrato de concessão que obriga a que empresa zele pela faixa de domínio da ferrovia, cujo proprietário é o DNIT. No estado do Ceará o trecho operacional da ferrovia tem 502 km de extensão, do Porto do Mucuripe até a divisa com o estado do Piauí - na cidade de Oiticica - e transporta cimento, produtos siderúrgicos, contêineres, minério, trigo, entre outros. A FTL atua no transporte de cargas desde a privatização da Malha Nordeste ocorrida em 1998, época em que teve início o período de concessão. No total, são 1,2 mil km de ferrovia operacional conectando Fortaleza, Teresina e São Luis.

Diário do Nordeste