Prefeito do Rio de Janeiro tem celular apreendido em operação contra corrupção

Prefeito do Rio de Janeiro tem celular apreendido em operação contra corrupção


A manhã desta quinta-feira (10), foi marcada por agentes do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e da Polícia Civil cumprindo 22 mandados de busca e apreensão em investigação sobre um suposto esquema de corrupção na administração municipal do Rio de Janeiro. A casa do prefeito da capital fluminense, Marcelo Crivella, foi um dos alvos da operação. O gestor teve seu telefone apreendido. 

O MP-RJ informou que a ação desta quinta-feira, é a primeira fase da Operação Hades, executada em 10 de março deste ano e que investiga o suposto 'QG da Propina'. As investigações partiram da colaboração premiada do doleiro Sérgio Mizrahy, preso pela Operação Câmbio, Desligo. O procedimento policial está sob sigilo, por isso não foram reveladas mais informações sobre os investigados.

Além de Crivella, a operação também chegou a Eduardo Lopes (ex-senador que herdou o antigo cargo de Crivella), Mauro Macedo (tesoureiro da campanha de Crivella ao Senado, em 2008) e Rafael Alves (citado em delações como suposto pagador de propina para a prefeitura).

Os policiais estão em endereços residenciais e funcionais de agentes públicos municipais e empresários na capital fluminense - nos bairros da Barra da Tijuca, Jacarepaguá, Tijuca e Flamengo -, em Itaipava, na região serrana, e em Nilópolis, na região metropolitana.

Os mandados foram expedidos pelo 1º Grupo de Câmaras Criminais do Tribunal de Justiça do Rio. A operação é conduzida pela Suprocuradoria-Geral de Assuntos Criminais (Subcriminal/MPRJ) e pelo Grupo de Atribuição Originária Criminal da Procuradoria-Geral de Justiça (GAOCRIM/MPRJ), junto com integrantes da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ) e da Coordenadoria de Investigações de Agentes com Foro (CIAF/PCERJ) da Polícia Civil.

Diário do Nordeste