Roupas podem ficar até 35% mais caras no Ceará; Saiba o por quê

Roupas podem ficar até 35% mais caras no Ceará; Saiba o por quê


Não é apenas os preços dos alimentos que sofrerão com aumento no Estado. Depois da alta de 6,10% no ano no preço da alimentação, os consumidores devem se deparar com o encarecimento das roupas no fim do ano. A elevação dos custos pode chegar até 35% no Estado, aponta o Sindicato das Indústrias de Confecção de Roupas do Ceará.

A alta demanda reprimida somada à redução da importação de produtos da China resultaram na carência de matéria-prima para a indústria têxtil do Ceará, que vai influenciar o preço das roupas. Segundo o presidente da Sindconfecções, Elano Guilherme, o encarecimento dos produtos deve se estender até o primeiro trimestre de 2021.

A falta de insumos afeta toda a cadeia produtiva da moda, desde a indústria do jeans a moda íntima, afirma Elano, das pequenas às grandes confecções de forma semelhante, independentemente do tamanho da empresa. Dentre os produtos que estão ausentes no mercado, estão algodão, tricoline, malha, microfibra, lycra, lingerie e bojo.

Diário do Nordeste