Funcionário de bar se recusa a fritar sapo e caso acaba em tiro

Funcionário de bar se recusa a fritar sapo e caso acaba em tiro


Um grupo de homens protagonizou uma confusão que terminou em tiroteio, após uma tarde de bebedeira em um bar de Brazlândia, no Distrito Federal. Os rapazes agrediram o funcionário do estabelecimento que se recusou a preparar um sapo como petisco, a pedido do cliente. A situação aconteceu na noite da quarta-feira (28). 

Em depoimento à Polícia Civil, o proprietário da loja disse que os homens já estavam bebendo há algumas horas até que um deles retornou do banheiro, pediu uma dose de cachaça e jogou um sapo no balcão, pedindo que o funcionário fritasse. Conquanto o funcionário se recusou a fritar o anfíbio, o homem pegou de volta o animal, mordeu e questionou se teria que comê-lo cru. 

Daí em diante os ânimos se exaltaram e uma confusão se formou. Houve xingamentos, troca de agressões, chutes e socos. Para tentar defender o funcionário que estava em desvantagem, o dono do estabelecimento chegou a tenta separar os envolvidos na confusão, no entanto, sem êxito, sacou uma arma de fogo e disparou em direção a porta. A ação pôs fim à confusão. 

Todos foram encaminhados à delegacia e a polícia investiga o caso. Praticante de tiro e com posse da arma utilizada, o proprietário alegou legítima defesa para efetuar o disparo, dizendo que temia pelo pior para seu funcionário e que, “se quisesse, teria acertado” os arruaceiros.

Bahia Notícias