MPCE pede condenação de 'Marcola' por roubo milionário no Ceará

MPCE pede condenação de 'Marcola' por roubo milionário no Ceará


A um ano de prescrever, o processo que Marcos William Herbas Camacho, o 'Marcola', responde no Ceará, recebeu alegações finais do Ministério Público do Ceará (MPCE). O Órgão pediu à Justiça Estadual a condenação do líder máximo da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) por participação em um roubo milionário a uma empresa de transporte de valores, em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), ocorrido no ano de 2000.

Os crimes por quais 'Marcola' deve ser condenado, segundo a 6ª Promotoria de Justiça de Caucaia, são roubo majorado (qualificado) com emprego de arma de fogo, concurso de pessoas e transporte de valores; e extorsão mediante sequestro qualificado, pela vítima ser menor de 18 anos.

O MPCE também pede a manutenção da prisão preventiva do réu, que cumpre pena por outros crimes na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Brasília. A manifestação foi enviada à 3ª Vara Criminal de Caucaia na última quinta-feira (12). A defesa do acusado não foi localizada pela reportagem.

Segundo o Ministério Público, Herbas Camacho integrou uma quadrilha de assaltantes interestaduais que sequestrou dois funcionários da Nordeste Segurança de Valores (NSV) e familiares de ambos, no dia 17 de fevereiro de 2000, e os manteve em cárcere até o dia seguinte, quando os criminosos, junto com os reféns, entraram na sede da empresa, localizada na Av. Coronel Correia, bairro Parque Soledad, e roubaram R$ 1,4 milhão, o que equivale hoje a R$ 4,7 milhões corrigidos pela inflação.

'Marcola' é apontado pela acusação como "o mentor intelectual da quadrilha que, inclusive, havia cometido outros crimes da mesma natureza, utilizando o mesmo "modus operandi" no Estado do Ceará, bem como em outros Estados, além de executar a ação criminosa em si".

Para pedir a manutenção da prisão, o MPCE alega que "é medida que se nos afigura necessária como garantia da ordem pública, dada a periculosidade do mesmo e a gravidade 'in concreto' do delito praticado, evidenciadas em suas condutas de, conjuntamente com seus comparsas, praticarem delito efetivado com violência e grave ameaça". 

Diário do Nordeste