Festa na madrugada tem multidão, paredões de som e tiros; rua amanhece com sangue e sujeira

Festa na madrugada tem multidão, paredões de som e tiros; rua amanhece com sangue e sujeira


Uma área do bairro João XXIII, em Fortaleza, amanheceu com calçadas cheias de vidro e marcas de sangue durante o último sábado (26), após o registro de uma grande multidão dançando, bebendo, sem máscara, nem distanciamento, no meio das vias durante a madrugada. A festa aconteceu de 1h30min até as 4 horas entre as ruas 12 de julho com Visconde de Cauípe com direito a paredão de som, aglomeração e disparos para o alto - o mesmo padrão desde 2019, em todos os feriados.


De acordo com testemunhas, os participantes da festa, alguns deles armados, são desconhecidos da vizinhança, que seria intimidada a ligar o som dos carros nas próprias casas. Segundo uma fonte anônima, a polícia é acionada pelos moradores desde o início das festas, que passaram acontecer a partir de meados do ano passado. No entanto, as respostas da corporação variam entre aguardar e não existir nenhuma outra denúncia no endereço.

A única vez que o problema no bairro teria recebido suporte da segurança pública teria sido no Carnaval de 2019. Na ocasião, a ação policial teria envolvido bala de borracha, spray de pimenta e agentes da Guarda Municipal e da Polícia Militar. 

Durante a festividade natalina de 2020, o baile terminou com uma mulher sendo levada pelos braços e muito sangue na calçada, além de respingos de sangue na rua. A origem do sangue e a condição e identidade da mulher são desconhecidos. Ainda, uma construção com diversos apartamentos (alguns dos quais são habitados) chegou a ser invadida para ser utilizada como espécie de camarote durante a festa.


Nos perfis do bairro no Instagram, que compartilham vídeos da festa desta madrugada, algumas pessoas comentam que terá outra festa no Ano Novo. Outras criticam a “irresponsabilidade” da aglomeração e a ausência de uso de máscaras de proteção.

O Povo