Grito de guerra e buzinaço marcam velório de motorista de aplicativo

Grito de guerra e buzinaço marcam velório de motorista de aplicativo


Um clima de revolta marcou o velório de José Hilker Assunção de Sousa, 28 anos, motorista de aplicativo que foi roubado e teve 95% do corpo queimado em Caucaia, na Grande Fortaleza. Familiares e amigos se despediram do jovem morto no último sábado (5), após 14 dias internado no Hospital Instituto José Frota (IJF).

Inúmeros motoristas de aplicativos compareceram à despedida de Hilker e também desabafaram sobre o sentimento de insegurança que a categoria sente, sobretudo após episódio como o que aconteceu com o jovem no dia 21 de novembro. 

O ex- militar da aeronáutica que atuava como motorista de aplicativo, José Hilker foi abordado por criminosos na Rua Campo do Madureira, no Bairro Guajiru. Os criminosos o lesionaram José com um objeto perfurocortante e, apos suspeitarem que se tratava de um policial, atearam fogo nele e fugiram com o carro. Ele teve 95% do corpo queimado.

O velório aconteceu desde às 22h do último sábado (5) até 10h30 de domingo (6), em um local cedido por um projeto social, no bairro Itaperi. Na ocasião, companheiros de Hilker durante o período de serviço militar emplacaram gritos de guerra.

Após o velório, cerca de 100 carros - com amigos e familiares da vítima- saíram em cortejo, fazendo buzinaço, até o Cemitério Memorial Fortaleza, em Maracanaú. Os carros foram enfeitados com balões brancos e pretos e carregavam mensagens "Luto Hilker" e "Saudade".  

Diário do Nordeste