Homem é preso por engano e secretaria do Estado reconhece erro

Homem é preso por engano e secretaria do Estado reconhece erro


Após ser preso por engano em uma delegacia da periferia de Fortaleza, o assistente administrativo Tiago dos Santos Bezerra, de 36 anos, deixou durante o último sábado (12) a unidade prisional. De acordo com a vítima, a delegada responsável não o atendeu ou averiguou seu caso antes de enviá-lo para a Delegacia de Capturas, onde ficou detido por quase 24 horas.

"Em momento algum a delegada me chamou para conversar, me ouvir. Por várias vezes, ela saiu da sala dela, me viu chorando do lado da minha esposa, desesperado, olhava para mim e nada falava", disse Tiago Bezerra, após ser solto na Decap.

Ele foi confundido com seu homônimo Tiago dos Santos, de 30 anos, que já havia sido condenado em 2017 por assalto, no município de Caucaia. Ao lado da esposa, da irmã e da advogada, o assistente administrativo afirmou que tentou argumentar durante a prisão que não havia morado em Caucaia e já trabalhava há mais de 8 anos na mesma empresa.

"Em toda a minha vida, entrei numa delegacia três vezes, inclusive na mesma delegacia pra registrar BO como vítima. Eu sou acusado de uma coisa que eu não fiz", disse.

"Isso jamais vai sair da minha mente. Perdi a confraternização da empresa, meus colegas por conta disso também perderam. Estou com medo de perder meu emprego por uma acusação que eu não tenho e estou com muita saudade da minha filha", ressaltou. Segundo ele, os responsáveis pela sua prisão não diziam por qual acusação ele estava sendo detido.

Indenização 
A advogada Mayara Lima, que atuou na defesa de Tiago Bezerra, destacou que irá entrar com uma ação indenizatória em face do Estado e fazer uma representação na Controladoria Geral de Disciplina (CGD) para que os fatos sejam apurados corretamente.

Em nota, a Controladoria Geral de Disciplina, órgão que fiscaliza a atuação de agentes de segurança no Ceará, afirmou que determinou a "imediata apuração do fato na seara administrativa disciplinar".

A Secretaria da Segurança Pública esclareceu que um homem "foi detido por engano por ter o mesmo nome, assim como o mesmo nome da mãe, de um suspeito que tinha um mandado de prisão em aberto".

G1-CE