COLUNA: Conheça Amandinha, a cearense escolhida sete vezes melhor do mundo no futsal feminino

COLUNA: Conheça Amandinha, a cearense escolhida sete vezes melhor do mundo no futsal feminino


Amanda Lyssa de Oliveira Crisóstomo, mais conhecida como Amandinha, nascida em 5 de setembro de 1994, em Fortaleza/CE, chegou, no ano de 2020, ao seu sétimo título consecutivo (2014 – 2020) de melhor jogadora do mundo na modalidade futsal feminino. A cearense é tida como um fenômeno desde quando atuava em quadra por projetos sociais no Conjunto Ceará, bairro onde foi criada, e em sua escola, quando, apesar de jogar com e contra meninos, já se destacava dos demais.
 
Um pouco da história de Amandinha
Não demorou para Amandinha começar a desbravar novos ambientes. Com 15 anos de idade, em meados de 2009, a atleta já integrava a seleção de futsal feminina do estado do Ceará e logo mudou-se para Brusque/SC, onde foi defender as cores da equipe do Barateiro Futsal. 

Já no Sul do país, Amanda continuou em uma crescente, individualmente começou a chamar atenção cada vez mais, mas teve que esperar seis anos para ganhar seu primeiro título de melhor do mundo. Só em 2014, no ano em que a seleção brasileira de futsal feminino, liderada por Amandinha, sagrou-se campeã do mundialito, foi que a Futsal Awards (órgão responsável por todos os prêmios do futsal mundial) escolheu a atleta como a melhor jogadora do planeta. Após três anos mantendo o alto nível de jogo e cada vez mais experiente, a cearense foi contratada pela equipe do Leoas da Serra. A sede das leoas fica em Lages, também em Santa Catarina. No clube desde então, Amandinha conquistou todos os títulos mais importantes possíveis, como a Libertadores da América (2018), a Copa das Campeãs (2019) e o 1º Mundial Interclubes Feminino (2019). 

Negociações e Idolatria
Uma coisa a se destacar é que a troca de clube da melhor do mundo, não foi, em nenhum momento, visando mais dinheiro. E sim por acreditar mais no projeto, achar que ali ela estaria ajudando mais a comunidade do futebol de salão feminino, com mais visibilidade, entre outras coisas. A Amandinha sabe da responsabilidade que ela tem em ser ‘A cara do futsal feminino’ e conduz isso com muita inteligência e humildade. No Brasil, país onde o futsal é muito forte, a Amanda é tida como ídolo para muitas meninas que sonham um dia chegar no topo, como a mesma chegou. 

“Caso de amor”
Ainda dentro do assunto de negociações, Amandinha sempre recebe propostas para mudar de clube, país e até mesmo de esporte. Isso mesmo! Esporte! Chegam muitos convites para a jogadora de 26 anos para ela mudar para o futebol, com salários e até condições melhores, mas, ainda no pensamento de somar no futsal feminino brasileiro, Amandinha recusa todas as propostas que chegam.

Amandinha dentro das quatro linhas
Não é por acaso que a Amandinha é sete vezes melhor do mundo. Não é porque não existem concorrentes a altura. Dentro de quadra, a cearense é praticamente completa. Ótimo drible, boa na finalização, tem um bom passe e, uma de suas melhores características, que é a de jogar para a equipe, nunca pensando só nela, o coletivo sempre foi levado como muito importante para a atleta. Além disso, Amanda é indispensável no vestiário, na hora de chamar a responsabilidade e, de alguma forma, motivar as demais profissionais. Tem um espírito de liderança, o que não poderia ser diferente para uma jogadora nivelada por cima da forma que é. 

Susto recente
Em maio de 2020, em meio à pandemia do novo coronavírus, Amandinha, que estava naquele momento em isolamento social, desmaiou em casa, teve convulsões e foi levada para o hospital. Operada no dia seguinte, ela teve que tirar dois cistos no ovário. A atleta do Leoas da Serra não demorou muito para voltar a se exercitar e treinar com suas companheiras, tanto que foi eleita, mais uma vez, a melhor do mundo, no ano de 2020. 

Amanda Lyssa de Oliveira Crisóstomo
É sinônimo de amor ao esporte, fidelidade e grandiosidade. O Brasil e o futsal feminino têm muita sorte em poder contar com Amandinha. 

Vicente Barcelos