Oxigênio acaba em hospitais de Manaus; Prefeito diz que corpos que não puderem ser enterrados ficarão em refrigeradores

Oxigênio acaba em hospitais de Manaus; Prefeito diz que corpos que não puderem ser enterrados ficarão em refrigeradores


A situação em Manaus voltou a se agravar nas últimas horas, segundo relato de administradores de hospitais e de profissionais que atuam no atendimento de pacientes de Covid-19.

O pesquisador Jesem Orellana, da Fiocruz-Amazônia, afirma que tem recebido vídeos, áudios e relatos telefônicos de pessoas que atuam na linha de frente de unidades de saúde com informações dramáticas.

"Estão relatando efusivamente que o oxigênio acabou em instituições como o Hospital Universitário Getúlio Vargas e serviços de pronto atendimento, como o SPA José de Jesus Lins de Albuquerque", afirma ele. "Há informações de que uma ala inteira de pacientes morreu sem ar", completa.

Com o colapso no sistema de saúde, o governo deve montar um grupo de apoio a familiares de pacientes com Covid-19 transferidos para atendimento médico em outros estados. Amazonenses internados devem ser transferidos para Goiás, Piauí, Maranhão, Brasília, Paraíba e Rio Grande do Norte.

"Acabou o oxigênio e os hospitais viraram câmaras de asfixia", diz o pesquisador Jesem Orellana. "Os pacientes que conseguirem sobreviver, além de tudo, devem ficar com sequelas cerebrais permanentes." Profissionais da área de saúde afirmam que a situação é dramática e muitas pessoas ainda vão morrer já nas próximas horas por falta de assistência.

Com a alta no número de mortes, a prefeitura de Manaus instalou câmaras frigoríficas no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus, onde é realizada a maior parte dos rituais fúnebres da região. As estruturas serão para armazenamento de corpos que não puderem ser enterrados de imediato, devido à alta demanda causada pela Covid-19. “Nós estamos vivendo, acredito, o pior momento”, relata o prefeito de Manaus.


Lockdown
O governador Wilson Lima anunciou nesta quinta-feira (14), um decreto que proíbe a circulação de pessoas em Manaus entre 19h e 6h. Todas as atividades, exceto serviços essenciais para a vida, também estarão proibidas de abrir. A medida deve valer a partir da publicação do decreto, prevista ainda para esta quinta.

De acordo com Wilson Lima, dentre as novas medidas de restrição contra a Covid, estão:
  • Suspensão do transporte coletivo de passageiros entre rodovias e rios do estado;
  • Fechamento de todas as atividades e circulação de pessoas entre 19h e 6h;
  • Farmácias devem funcionar, entre 19h e 6h, por delivery ou sob demanda;
  • Circulação de pessoas só será permitida, entre 19h e 6h, para quem trabalha em áreas estratégicas: saúde, segurança pública, imprensa.
Com informações de Folha de São Paulo, O Povo e G1