Profetas da chuva se adaptam à pandemia para manter tradição viva

Profetas da chuva se adaptam à pandemia para manter tradição viva


A pandemia do novo coronavírus impôs um redesenho às tradições populares, mas não foi capaz de barrá-las. No Sertão cearense, janeiro é época de analisar os sinais da natureza e, através deles, surge a previsão para a próxima quadra chuvosa (fevereiro a maio). Esse ritual é realizado pelos guardadores de experiências de chuva. Contudo, em algumas localidades, o encontro, historicamente presencial, foi suplantado para o universal virtual. É a tecnologia aliada ao sertanejo na manutenção de uma tradição secular.

Nesta sexta-feira (8) à noite, em Tauá, será realizado de forma remota o V Encontro dos Profetas da Chuva do Sertão dos Inhamuns. O evento é promovido em articulação dos campi de Boa Viagem, Crateús e Tauá do Instituto Federal de Educação do Ceará (IFCE), em parceria com a Universidade Estadual do Ceará (Uece) e terá transmissão, a partir das 18h30, pelo canal do IFCE Tauá no YouTube.

Na última quarta, foi a vez de os guardadores da cidade de Orós, na região Centro-Sul, se encontrarem para trocarem experiências. Virtualmente ou de forma presencial, há consenso quanto a expectativa para este ano: chuvas acima ou dentro da média.

Essa previsão coaduna com o primeiro prognóstico realizado pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e pelo Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Cptec/Inpe). Ambas agências preveem para a parte norte do Ceará chuvas acima da média e para o sul precipitações dentro da normalidade para o trimestre - janeiro a março.

O professor e diretor-geral do IFCE de Boa Viagem, João Paulo Arcelino, destaca a importância da tradição recordando que "durante muito tempo não se tinha acesso às informações meteorológicas, então o homem se valia da natureza para avaliar como deveria ser o seu plantio". Ele ressalta que as observações empíricas da natureza se tornaram "um mapa primordial de sobrevivência para os agricultores e suas famílias".

Dentre os sinais avaliados pelo sertanejo, estão a observação do comportamento das formigas e cupim, a disposição dos ventos, nuvens, lua cheia e estrela d'alva e, ainda, experimentos realizados com pedras de sal.

Diário do Nordeste