Ataques de candidata contra Capitão Wagner coloca em risco eleição de Sarto

Ataques de candidata contra Capitão Wagner coloca em risco eleição de Sarto


Na teoria, a psicóloga Natália Rios teve R$ 150 mil para apresentar suas propostas na condição de candidata a vereadora de Fortaleza, na eleição de 2020. Na prática, ela teria utilizado outros R$ 135 mil para impulsionamentos de propaganda ilícita contra a candidatura majoritária de Capitão Wagner (Pros).

A denúncia é do Ministério Público Eleitoral (MPE), que entrou com ação por abuso de poder econômico, contra o prefeito de Fortaleza, José Sarto (PDT), e o vice-prefeito Élcio Batista (PSB), que poderá resultar na cassação de seus mandatos. De acordo com o MPE, Sarto teria sido beneficiado da propaganda ilícita de Natália Rios contra Capitão Wagner.

O MPE apontou ainda que, por ter destinado quase 100% dos recursos da ordem de R$ 150 mil de sua campanha para realizar propaganda negativa, ao invés de promover suas propostas e ideias, a candidatura de Natália Rios teria sido fictícia, apenas para beneficiar o candidato de chapa majoritária.

“Nesse aspecto, não se identifica nos vídeos impugnados qualquer proposta para quando a candidata se tornasse vereadora, ou seja, não há propaganda positiva de suas próprias ideias. Desse modo, ainda que a candidata exerça sua liberdade de expressão, poderia até fazer críticas e comparações com o candidato da oposição, mas teria que promover a si própria enquanto pleiteante de um cargo eletivo, ou seja, teria que se fazer conhecer como futura vereadora e não como simples veiculadora de informações sobre o candidato a prefeito, sem destacar quais são suas propostas ou comparações para essas situações”, ressaltou o MPE.

O POVO Online