Bares e restaurantes registram 2 mil demissões em 20 dias e aguardam medidas de apoio

Bares e restaurantes registram 2 mil demissões em 20 dias e aguardam medidas de apoio


Após o governador do Ceará Camilo Santana (PT) ter dito que anunciaria medidas de apoio ao setor de alimentação fora do lar, o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) no Ceará, Taiene Righetto, confirmou que entidade se reunirá neste fim de semana com o governo do Estado para debater propostas de socorro ao segmento. A expectativa é que as definições do encontro sejam divulgados na próxima semana.

Conforme Righetto, foram registradas 2 mil demissões em Fortaleza, apenas nos últimos 20 dias. Segundo ele, o temor de novas demissões e falências se acentuou por conta das novas restrições divulgadas pelo governo do Estado na sexta-feira, 26, e que devem vigorar até o dia 7 de março, como forma de tentar diminuir a velocidade de propagação do novo coronavírus. No caso específico de bares e restaurantes, o horário de funcionamento foi reduzido durante os dias de semana e tais estabelecimentos precisarão encerrar as atividades, a partir das 19h. Aos sábados e domingos, segue a permissão para funcionar até às 15h.

O segmento já soma 10 mil postos de trabalho perdidos, durante a pandemia, e emprega outras 30 mil pessoas na Capital, de acordo com a Abrasel no Ceará. “Estamos em negociação com o governo do Estado, com quem nos reuniremos ainda neste fim de semana. A gente vê com otimismo o fato de o setor ter sido procurado, pois estávamos sem negociação nenhuma e sabendo das coisas quando os decretos eram publicados. Esse problema todo estava só na nossa conta. Nós esperamos, realmente, que agora saiam decisões que possam fazer o setor sobreviver”, ressalta Taiene Righetto.

Ele avalia, porém, que o “setor está muito fragilizado e a continuidade das medidas restritivas deve ampliar, de forma exponencial, o fechamento de postos de trabalho e de falências, além de trazer outro fenômeno complicado que é o do encolhimento dos grandes restaurantes. A gente, infelizmente, projeta ter o setor com a metade do tamanho que ele tinha há um ano, falando em números de empregos e de estabelecimentos”.

Quanto às propostas que a entidade deve levar ao governo do Estado, Righetto lista entre as principais: auxílio aos trabalhadores do setor que perderam o emprego, renegociação de impostos estaduais, isenção de IPTU, suspensão dos cortes de água e energia e renegociação de dívidas com as companhias que prestam esses serviços, além de um plano de retomada gradual para o funcionamento completo de bares e restaurantes.

O presidente da Abrasel no Ceará avalia que o impacto mais imediato das medidas mais restritivas anunciadas pelo governador Camilo Santana sobre o setor, será o fim do atendimento noturno de estabelecimentos que costumavam funcionar no período diurno e que com a pandemia haviam ampliado seu horário de atendimento até às 20h.

O POVO Online