Bebida alcóolica deve ser evitada antes e depois da vacina contra covid

Bebida alcóolica deve ser evitada antes e depois da vacina contra covid


O consumo de bebidas alcoólicas antes e depois de tomar a vacina contra a covid-19 deve ser evitado, alerta a médica imunologista Lorena de Castro Diniz, da ASBAI (Associação Brasileira de Alergia e Imunologia). “O sistema imune daqueles pacientes que são alcoolistas ficam imunodeprimidos, então é bom evitar”, explica Diniz.

Segundo a médica imunologista, outros cuidados devem ser adotados antes e depois da vacinação para não interferir na resposta imune contra a covid-19. O principal deles é não relaxar os cuidados com a higiene, o uso de máscara e distanciamento social mesmo após a imunização.

Além de evitar bebidas alcóolicas, não é recomendado misturar vacinas que tenham finalidades diferentes. Por isso é necessário cumprir um intervalo de 14 dias caso a pessoa tenha feito o uso recente de algum imunizante para uma doença que não a covid-19.

Também não pode tomar a vacina quem apresentou febre nas 24 horas anteriores à imunização, e as pessoas que já tiveram infecção por covid-19 precisam esperar 28 dias após o contágio. Não é ainda recomendado fazer preenchimento facial ou uso de botox pelo menos 15 dias antes.

Já gestantes e lactantes só podem receber a vacina após a liberação do médico, assim como pacientes oncológicos que dependem da avaliação do oncologista para saber se há comprometimento da imunidade em virtude do tratamento quimioterápico.

Assim como no período anterior à imunização, também é necessário esperar 14 dias para que uma vacina para outra finalidade seja tomada. Além disso, não é recomendado o consumo de bebidas alcoólicas nem o relaxamento do distanciamento social, assim como o usos de botox e ácido hialurônico pelos 14 dias posteriores.

“O sistema demora pelo menos 14 dias depois da vacina para começar a produzir anticorpos, e a pessoa só fica protegida de fato depois da segunda dose [caso o imunizante não seja de dose única]. O tempo total dessa espera vai depender do espaçamento entre as duas doses, mas só quando a cobertura vacinal for ampliada [para além dos grupos prioritários] é que teremos a oportunidade de diminuir distanciamento e uso de máscara”, afirma a imunologista.

Redação Notícias