Camilo quer o Senado em 2022, mas só com aval dos Ferreira Gomes

Camilo quer o Senado em 2022, mas só com aval dos Ferreira Gomes


O governador Camilo Santana tem conversado reservadamente com aliados sobre seu futuro político. O discurso é o mesmo para todos. Seu desejo pessoal é se desincompatibilizar, em abril do ano que vem, para concorrer ao Senado Federal, na vaga hoje ocupada por Tasso Jereissati. A informação é da coluna Rebate, de Donizete Arruda, no Jornal do Cariri deste semana.

Contudo, sua candidatura depende da vontade do senador Cid Gomes. Se Cid quiser que Camilo conclua seu mandato até o final, e não concorra a nada nas eleições de 2022, o governador aceitará essa posição sem se rebelar.

Em tempo
O desejo dos irmãos Ciro e Cid Gomes será cumprido pelo governador Camilo Santana. Ele alega ser do mesmo grupo, e não há motivos para divergências. Sua candidatura só tem razão se for para somar dentro do projeto nacional de eleger Ciro presidente e reforçar a força dos FGs no Senado Federal.

Em tempo II
Ao antecipar em reuniões até com deputados estaduais e federais que é subordinado ao senador Cid Gomes, e que se submete a sua liderança, o governador Camilo Santana se fortalece para ser candidato ao Senado. Sua candidatura não é imposta, mas consequência das condições políticas do Ceará.

Camilo não tem pressa em se lançar candidato a senador. Sabe que o presidenciável Ciro Gomes tem se apresentado propenso a apoiar à reeleição do senador Tasso Jereissati, numa tentativa de mostrar gratidão a quem o fez grande na política cearense e ter como contrapartida o trabalho de Tasso, articulando seu nome junto ao empresariado nacional para chegar ao Planalto. Ciente desse movimento de Ciro, Camilo joga parado.

CN7