Cidade escolhida pelo Butantan abre cadastro para vacinação em massa

Cidade escolhida pelo Butantan abre cadastro para vacinação em massa


Primeira cidade do Brasil que deverá ter a população maior de 18 anos vacinada em massa contra a Covid-19, Serrana, no interior de São Paulo, começa nesta quinta-feira (11) a cadastrar os moradores que receberão a vacina. Serão usadas doses da CoronaVac, imunizante produzido pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

A vacinação no município, que fica a 315 quilômetros de São Paulo e a 26 quilômetros de Ribeirão Preto (SP), está prevista para começar em 17 de fevereiro. O anúncio do projeto elevou a procura por imóveis de pessoas interessadas em se mudar para a cidade com o objetivo de conseguir a vacina destinada ao estudo. Mas, justamente para evitar que isso aconteça, Serrana já havia sido mapeada por meio de um censo em parceria com o Instituto Butantan, o Hospital Estadual e a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU).

Segundo o Butantan, o objetivo é imunizar 30 mil voluntários entre os 45.644 moradores. Os lotes da vacina são exclusivos para o estudo e o uso deles não interfere na distribuição para as outras cidades, de acordo com o instituto. "É importante que seja o máximo de pessoas possível e que sejam pessoas da cidade mesmo", afirma a médica infectologista Natasha Nicos Ferreira, integrante da equipe responsável pelo estudo.

Até quarta-feira (10), de acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde, Serrana somava 2.401 casos de Covid-19 e 57 mortes por complicações da doença. O primeiro caso foi registrado em 3 de abril e o primeiro óbito em 22 de abril. Como pertence à Diretoria Regional de Saúde 13, a cidade está na fase laranja do Plano São Paulo, programa do governo estadual que estabelece regras para a retomada econômica diante do enfrentamento à pandemia. Nesta etapa, podem funcionar comércio, restaurantes, salões de beleza, academias.

No ano passado, a cidade realizou um inquérito sorológico, coordenado pela Prefeitura, para saber a prevalência do novo coronavírus na população. A segunda fase desse inquérito estimou que 10,6% dos 160 voluntários tinham sido infectados pelo novo coronavírus e que 2,5% estavam com a doença ativa, ou seja, em condições de transmitir para outras pessoas. O resultado chamou a atenção de pesquisadores.

G1