Grupo de trabalho deve acelerar início da exploração em Santa Quitéria

Grupo de trabalho deve acelerar início da exploração em Santa Quitéria


Aguardando a liberação de licenças para dar início às operações de exploração, a mina de urânio e fosfato de Santa Quitéria pode estar mais perto de entrar em atividade. A expectativa é que o recém-criado Grupo de Trabalho Interministerial (GTI) voltado para o desenvolvimento do Plano Nacional de Fertilizantes (PNF) ajude a dar celeridade aos trâmites burocráticos para viabilizar as operações, já que o fosfato é um insumo básico para produção de fertilizantes. O grupo foi instituído pelo Decreto nº 10.605/2021, publicado em 22 de janeiro.

"Com certeza, a criação desse grupo de trabalho vai facilitar a conclusão dessa parte burocrática para a implantação da mina", avalia Tomás Figueiredo, diretor da Agência Nacional de Mineração (ANM).

"O fosfato é um insumo muito importante para o agronegócio brasileiro e, consequentemente, para a economia brasileira. E, hoje, o Brasil é importador de fertilizantes, ainda longe de ter autossuficiência. Então, a mina de Santa Quitéria irá ajudar a diminuir essa dependência, porque o consórcio (responsável pela operação) terá uma relevância gigantesca na produção de fosfato".

Segundo Eduardo Mello Mazzoleni, coordenador geral do Departamento da Secretaria de Política Agrícola (DEP) da Secretaria de Política Agrícola (SPA/MAPA), as licenças e viabilização da exploração de minas como a de Santa Quitéria estarão na pauta do novo grupo de trabalho. "(O GTI-PNF) irá trabalhar para levantar barreiras e criar oportunidades para tornar o ambiente legal e de negócios atrativos para os investimentos na produção de fertilizantes no Brasil, de forma sustentável e competitiva. A produção de fertilizantes no território nacional irá auxiliar na retomada da aceleração e do dinamismo da economia brasileira".

Diário do Nordeste