No atual ritmo de vacinação, Ceará levaria até dezembro para imunizar pessoas dos grupos prioritários

No atual ritmo de vacinação, Ceará levaria até dezembro para imunizar pessoas dos grupos prioritários


Até o momento, no Brasil, só há vacina contra a Covid disponível para as pessoas incluídas na primeira etapa dos grupos prioritários e, ainda assim, a quantidade é insuficiente. No Ceará, em 15 dias - a contar de 20 de janeiro quando oficialmente todas as cidades estavam com o imunizante - 137.156 pessoas foram vacinadas, segundo a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), ou seja, 61% das doses foram aplicadas, o que representa uma média de 9,1 mil novas pessoas vacinadas por dia. 

Essa é uma campanha atípica, e a baixa quantidade de vacinas afeta o ritmo de imunização. Até agora, nos 184 municípios, foram distribuídas 223.450 doses para vacinar trabalhadores da saúde (prioridade para os da linha de frente contra a Covid), indígenas, idosos e pessoas com deficiência institucionalizados, e idosos com 75 anos ou mais. 

No Ceará, a considerar a velocidade de imunização experimentada nesses 15 dias, nas 184 cidades, e a atual disponibilidade de imunizantes, o cálculo é de que seriam necessários 344 dias para garantir a aplicação da primeira dose da vacina apenas nas pessoas do grupo prioritário. Ou seja, somente no dia 2 de dezembro de 2021 é que a vacinação dos 2.894.433 inclusos nos grupos prioritários seria finalizada.

A prioridade, hoje, é imunizar as populações mais expostas e/ou as mais vulneráveis à Covid-19, seguindo uma ordem estabelecida pelo Ministério da Saúde, no Plano Nacional de Imunização. No Ceará, além do público desta primeira etapa, dentre as 2,8 milhões de pessoas dos grupos prioritários, estão: idosos entre 60 e 74 anos, pessoas com comorbidades, quilombolas, pessoas em situação de rua, presos, funcionários do sistema prisional, trabalhadores da educação (ensino básico e superior), das forças de segurança e salvamento, das forças armadas, de transportes coletivos rodoviário, metroviário e ferroviário, do transporte aéreo e aquaviário, caminhoneiros e trabalhadores portuários e industriais. 

No caso da pandemia de Covid, no atual contexto, não se sabe ainda quando os grupos populacionais não inclusos na prioridade serão imunizados. Contudo, embora a vacinação coletiva seja o grande fator de proteção, isso não significa que, na campanha, 100% das pessoas de um território irão ser vacinadas. No atual momento, por exemplo, menores de 18 anos e grávidas não podem receber a imunização no Brasil, pois os imunizantes utilizados não foram testados nessa população. 

Mas, feito um cálculo hipotético, com o atual ritmo de aplicação, no Ceará, considerando uma população total de 9.187.103 pessoas, conforme estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) utilizadas pelo Tribunal de Contas da União como referência para 2020, o Estado levaria 1.139 dias ou 2 anos e 9 meses para imunizar todos os habitantes. Nesse processo, com base na média atual, só em dezembro de 2023 todos os cearenses teriam recebidos, ao menos, a primeira dose da vacina contra a Covid.

Diário do Nordeste