Abastecimento de oxigênio no Ceará está em situação 'crítica', diz Ministério da Saúde

Abastecimento de oxigênio no Ceará está em situação 'crítica', diz Ministério da Saúde


Com aumento da demanda por oxigênio em todo o Brasil, a situação é considerada "crítica" em alguns estados, incluindo o Ceará, conforme alerta do Ministério da Saúde à Procuradoria-Geral da República. O insumo é fundamental para pacientes com a forma mais grave da Covid-19, que dificulta a respiração natural.

Além do Ceará, Acre, Rondônia, Mato Grosso, Amapá e Rio Grande do Norte estão na mesma situação. De acordo com a PGR, uma medida discutida na Saúde é aumentar a produção de cilindros e instalar concentradores de oxigênio em diversos locais, que funcionarão de forma parecida com mini-usinas.

Rede estadual e redes municipais
A Secretaria da Saúde do Ceará afirmou que tem o fornecimento garantido de oxigênio na rede estadual. Conforma a Secretaria da Saúde, o abastecimento está garantido mesmo que a demanda pelo oxigênio hospitalar seja cinco vezes maior que o ocorrido durante o pico da pandemia em 2020, ocorrido no mês de março.

No entanto, municípios do estado já sofrem com a falta pontual do oxigênio hospitalar. No sábado, a cidade de Santana do Acaraú ficou sem o produto por algumas horas e recebeu socorro da cidade vizinha, Granja.

A gestão estadual orientou que unidades de saúde que não são do estado fizessem planejamento similar. No caso dessas unidades de saúde sofrerem a falta de oxigênio, a Rede Sesa se dispõe a "colaborar com empréstimos, transferências de pacientes e ajustes na condução terapêutica para garantir o completo e adequado tratamento de toda a população cearense".

G1 CE