Advogado requer que governo use “gás de cocaína” contra o coronavírus

Advogado requer que governo use “gás de cocaína” contra o coronavírus


Em ação protocolada nesta segunda-feira (1º) no Supremo Tribunal Federal (STF), o advogado Álcio Luis Pessoa, de Manaus, representando a “Escola de Humanismo Cientifico” pede para a corte obrigar o governo a “experimentar o gás da cocaína injetado no corpo humano” para combater o coronavírus.

Em uma peça jurídica sui generis, o jurista afirma que “a maconha e a cocaína são vegetais que pertencem a nossa biodiversidade que não produzem drogas”.

“Daí que, o plantio, o colher e o explorar para o consumo, é costume de um povo. E como todos sabem, os costumes são direitos civis. Eles não podem ser criminalizadas”, afirma, antes de descrever todo o processo do refino “natural” da cocaína.

Segundo Pessoa, o coronavírus é parte de um “gás nocivo”. “As massas desses gases que têm a mesma densidade e propriedades, se atraem na razão direta de suas massas que se expressam em quilograma/litro para se acumularem em grandes volumes que dizem ser as variantes de mutações e as reinfecções da COVID-19”, diz.

Segundo ele, “a pedra de cocaína transformada em gás natural, injetada nos corpos dos infectados, neutralizará os núcleos dos gases nocivos presentes neles”. Diante da justificativa, o advogado pede que o governo seja obrigado a fazer o teste e “diante do resultado, deverá o Estado denunciar a Organização Mundial de Saúde (OMS) a rescisão unilateral dos contratos das vacinas, dos insumos inorgânicos dos laboratórios”.

Revista Fórum