COLUNA: Daft Punk, os robôs humanizados que conquistaram o audiovisual

COLUNA: Daft Punk, os robôs humanizados que conquistaram o audiovisual


No dia 22 de fevereiro de 2021, a dupla de música eletrônica Daft Punk anunciou o fim de suas atividades. Formado em 1993 por Thomas Bangalter e Guy Manuel de Homem-Christo, os franceses revolucionaram a música, com sons que misturavam diversos gêneros, trazendo também uma estética visual que seria suas marcas registradas ao longo da carreira.

Origens


Antes de estourarem com o Daft Punk, Thomas e Guy possuíam o trio Darlin’, com uma sonoridade que remetia ao surf rock dos Beach Boys. Alguns anos depois, com a dissolução da banda, o flerte dos dois com a música eletrônica aumentou, até que em 1997, lançaram o seu álbum de estréia, intitulado ‘’Homework’’.


Com 16 músicas, trazia um som bastante semelhante ao que era apresentado na cena musical européia e conquistou dois singles de sucesso, sendo eles ‘’Da Funk’’ e ‘’Around The World’’, que foram pro topo das paradas européias e até fora do continente. 


Reconhecimento mundial


Com a virada do século, a dupla procurou inovar em seu conceito. Para isso, contaram com a ajuda do designer Tony Gardner, que trouxe um aspecto futurista para a marca Daft Punk, com ambos aderindo um visual que passava a impressão de serem ‘’robôs da música’’. 


Para o segundo disco, agora com o título ‘’Discovery’’, eles atrelaram o futurismo a um estilo eletrônico que estava em alta nessa época. O lançamento ocorreu em 2001 e o resultado foi um disco aclamado por público e crítica, com maioria das músicas do álbum se tornando clássicos instantâneos. Entre os vários sucessos de Discovery, podemos citar ‘’One More Time’’, ‘’Aerodynamic’’, ‘’Digital Love’’, ‘’Harder Better Faster Stronger’’, entre outros.


Dois anos depois, lançaram o filme animado ‘’Interstella 5555’’, que servia de complemento visual ao Discovery. Contando com ilustrações de Kazuhisa Takenouchi (que tem no currículo trabalhos com One Piece e Dragon Ball), a animação mostra uma banda alienígena que é sequestrada por um empresário para fazerem sucesso no Planeta Terra. 


Ascensão estrondosa


Após o sucesso arrebatador de Discovery, o duo passou anos trabalhando em projetos que iam além da música. Além de fazerem uma progressão de seu conceito que influenciou toda a geração musical que veio em seguida, trabalharam no cinema e com shows que marcariam a indústria musical. 


O segundo trabalho da dupla no século XXI foi lançado em 2005. ‘’Human After All’’ trazia uma sonoridade mais voltada para o rock, leves críticas sociais e uma maior presença vocal deles. Entre os sucessos, destacam-se ‘’Human After All’’, ‘’Robot Rock’’ e ‘’Technologic’’.


Em 2006, dirigiram o filme Electroma, que mostra a jornada dos dois ‘’robôs’’ em busca de se tornarem humanos. O longa foi exibido em Cannes e foi elogiado pela crítica.


Em 2007, realizaram a turnê Alive, onde se apresentavam em uma pirâmide aberta que se fechava ao fim do show. A turnê foi um sucesso e redefiniu estilos visuais de grandes festivais da música, como o Glastonburry, do Reino Unido. 


Em 2010, foram chamados pela Disney para produzirem a trilha sonora do filme ‘’Tron: O Legado’’, sequência do longa de 1982. Os dois ainda fazem uma pequena participação no filme e as músicas foram um baita sucesso, com o álbum sendo relançado com remixes de outros DJs. 


Retrofuturismo, consolidação e herança


Três anos após comporem a trilha de TRON, o Daft Punk anunciou que estava trabalhando em um novo projeto autoral. Intitulado de ‘’Random Access Memories’’, o álbum trazia uma estética bastante diferente dos trabalhos anteriores, deixando um pouco mais de lado a eletrônica, dessa vez tendo músicas mais voltadas para a disco music dos anos 70, contando com colaborações de grandes músicos da época como o guitarrista Nile Rodgers e o lendário produtor Giorgio Moroder, ao mesmo tempo realizando parceria com artistas da atualidade como Pharrell Williams e Julio Casablancas, vocalista do The Strokes. 


Como todos os discos anteriores, Random Access Memories foi um sucesso sem precedentes, ganhando os grammys de Melhor Canção por ‘’Get Lucky’’ e de Álbum do Ano. Dentre os vários sucessos da obra, alguns que merecem destaque são ‘’Give Life Back To Music’’, ‘’Instant Crush’’, ‘’Lose Yourself To Dance’’, além da já citada ‘’Get Lucky’’.


De certa forma, o trabalho do duo reviveu a sonoridade dos anos 70 e 80, com esse legado reverberando até hoje na música, prova disso são os trabalhos de Dua Lipa e The Weeknd. Esse último, inclusive, teve sua carreira diretamente afetada pelo Daft Punk, já que eles colaboraram com o seu álbum ‘’Starboy’’ de 2016, divisor de águas na carreira do The Weeknd.


Após o Random Access Memories e a bem sucedida parceira com The Weeknd, o Daft Punk passou alguns anos produzindo pequenos trabalhos na música, colaborando com trilhas sonoras de filmes cult, relançando projetos com mais músicas, entre outras coisas. 


O fim?


Por meio de seu canal do YouTube, com um trecho de seu filme Electroma, o Daft Punk anunciou oficialmente o fim da dupla. Até o momento, não se sabe o motivo exato para o encerramento do projeto, mas muito se discute a respeito do que pode vir no futuro. Talvez os queridos robôs humanóides possam não vir a se juntarem mais, porém, Thomas e Guy Manuel nunca deixaram de trabalhar com qualquer projeto que envolvesse música. De qualquer forma, esses 28 anos de carreira deixaram um legado imensurável para a música e até fora dela, havendo contribuições para o cinema, moda, videogames, entre outras mídias. E se ainda não parou para conhecer a obra dos caras, vale muito a pena embarcar nessa viagem audiovisual produzida por eles ao longo de quatro décadas.


Gabriel Araújo