COVID-19: Máscaras podem provocar danos neurológicos irreversíveis?

COVID-19: Máscaras podem provocar danos neurológicos irreversíveis?


Um vídeo com cerca de 20 minutos deu origem a várias publicações que se tornaram virais no Facebook. As imagens trazem Margareta Griesz-Brisson, médica alemã que garante que as máscaras provocam falta de oxigénio e intoxicam as pessoas por inalação de dióxido de carbono. A profissional também defende que as células do cérebro podem ficar destruídas devido à falta de oxigenação. Entretanto, as afirmações são fakes, não correspondendo o que já demonstraram especialistas de vários pontos do mundo.

O monólogo de Griesz-Brisson é sempre feito em alemão durante o vídeo — existe uma versão traduzida igualmente disponível —, mas aquilo que defende foi partilhado nas redes sociais, sobretudo por quem é contra o uso de máscara durante a pandemia de Covid-19.

Em julho, um estudo realizado nos EUA concluiu que uma máscara comum não limita o fluxo de oxigénio que chega aos pulmões, incluindo em pessoas com doenças pulmonares. A falta de ar aparente pode ser desencadeada por uma sensação de claustrofobia e até pelo ar quente inalado. Pode existir “uma sensação de desconforto que provoca a ilusão de asfixia mas isso é psicológico”, reconheceu Yves Coppieters, epidemiologista belga, à agência noticiosa AFP.

Também Philipp Lepper, da sociedade alemã de pneumologia e medicina respiratória, explicou que, como “a quantidade de ar atrás de uma máscara é muito fraca e mistura-se com o ar fresco cada vez que inspiramos, isso não produz qualquer efeito nos níveis de oxigénio e de dióxido de carbono medidos pelo corpo”. Além disso, segundo o especialista, “uma molécula de oxigénio mede cerca de 260 picómetros. O tamanho dos poros das máscaras cirúrgicas é de 100 mil a um milhão de vezes maior do que uma molécula de oxigénio”. Isto significa que as máscaras não impedem a passagem de oxigénio ou de dióxido de carbono.

A Agência Mundial da Saúde (OMS) apoia todas estas opiniões. No site oficial é possível ler que “o uso prolongado de uma máscara cirúrgica pode ser desconfortável. No entanto, não leva a uma intoxicação por CO2 ou a uma deficiência de oxigénio”.

Portanto, as afirmações de neurologista alemã, que defende que as máscaras não permitem a passagem de oxigénio e que essa privação pode causar danos neurológicos, é desmentida por outros especialistas. Não existe o risco de qualquer intoxicação por CO2. 

Observador