Estudo indica que Coronavac é eficaz contra cepa do coronavírus que circula em Santa Quitéria

Estudo indica que Coronavac é eficaz contra cepa do coronavírus que circula em Santa Quitéria


Resultados preliminares de um estudo feito no Brasil sugerem que a Coronavac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, é eficaz contra a variante P.1 do coronavírus, originada em Manaus no fim de 2020 e já presente em ao menos 17 Estados. Em Santa Quitéria, a transmissão comunitária dela foi confirmada na semana passada, por meio de um estudo da Fiocruz, em nove de cada dez pacientes.

O imunizante teria se mostrado efetivo contra a nova cepa em estudos feitos com o soro de pessoas vacinadas, segundo afirmou à agência Reuters uma fonte envolvida nas pesquisas que não quis se identificar. Os estudos com soro geralmente avaliam se os anticorpos presentes no sangue do imunizante são capazes de neutralizar o vírus.

De acordo com essas fontes, além dos dados das pesquisas em laboratório, com o soro dos vacinados, resultados preliminares de estudos de efetividade também demonstraram redução de casos graves entre idosos, o que indicaria que a vacina está tendo eficácia no País mesmo em meio à disseminação da nova cepa do coronavírus.

Cepa perigosa
Pesquisas recentes mostram que a variante P.1 é duas vezes mais transmissível do que as cepas predominantes no Brasil durante a primeira onda. Segundo os estudos, ela teria ainda probabilidade de 25% a 61% maior de escapar da imunidade desenvolvida, com base em uma contaminação prévia e aumentaria em dez vezes a carga viral nas células do doente.

Vacinômetro
Segundo dados da Secretaria de Saúde do Estado (Sesa), conclusos até ontem (09), 700 profissionais da saúde receberam a 1ª dose da Coronavac e 630 a segunda dose em Santa Quitéria. A meta é imunizar 1009 pessoas deste grupo, de linha de frente.

Com informações do Estadão Conteúdo