Justiça solta falsa médica que trabalhava em posto de saúde de Itatira

Justiça solta falsa médica que trabalhava em posto de saúde de Itatira


A Vara Única Criminal de Canindé, da Justiça Estadual, decidiu soltar a falsa médica que trabalhava no posto de saúde do Município de Itatira. Vanessa Maria Sampaio Goulart, de 50 anos, atuava sem registro profissional próprio - utilizava o documento de uma médica de São Paulo - e até prescrevia receitas médicas.

A liberdade provisória foi concedida à Vanessa na última sexta-feira (12), dois dias depois dela ser presa pela Polícia Civil do Ceará (PCCE). O juiz determinou que a mulher compareça a todos os atos do processo; não se ausente da Comarca por mais de 8 dias; e pague fiança no valor de 5 salários-mínimos, ou seja, R$ 5,5 mil. Para o juiz, "os delitos imputados foram cometidos sem violência ou grave ameaça".

Vanessa Goulart foi presa em flagrante, no posto de saúde onde trabalhava há dois dias, em Itatira, após a Polícia Civil receber uma denúncia anônima sobre a atuação de uma falsa médica. Ela foi autuada pelos crimes de exercício ilegal da medicina e falsidade ideológica.

A falsa médica não possuía cadastro no Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará (Cremec) e utilizava o cadastro de uma médica que trabalha em São Paulo. Questionada pela Polícia, ela alegou que tinha obtido registro no Paraguai para atuar como médica.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a suspeita é reincidente no crime de falsidade ideológica, por já ter atuado ilegalmente como médica no município cearense de Pindoretama.

Diário do Nordeste