Mulher pede ajuda em agência bancária e é socorrida de cárcere privado: "Ele está aí fora"

Mulher pede ajuda em agência bancária e é socorrida de cárcere privado: "Ele está aí fora"


Uma mulher vítima de violência doméstica foi socorrida após pedir ajuda ao atendente de uma agência bancária, em Sobradinho, no Distrito Federal, por meio de um bilhete. O caso ocorreu na última segunda-feira (1º). 

A mulher, de 27 anos, escreveu 'Você pode me ajudar', 'Violência doméstica', 'Ele tá aí fora' e um 'X' no recibo de um saque e o entregou ao bancário.

O 'X' é um símbolo de pedido de ajuda popularizado em uma campanha contra a violência doméstica lançada em junho de 2020. 

O agressor, marido dela, estava esperando em frente à agência. Devido às medidas de prevenção ao coronavírus, apenas uma pessoa pode entrar na agência

Na última terça-feira (02), a Polícia Militar foi até a casa da vítima, após ser acionada pelos funcionários do banco, e encaminhou ela e os dois filhos para um abrigo. O agressor não foi encontrado até a tarde de quarta-feira (03). 

Ela era agredida e mantida em cárcere privado. Em 2019, a vítima já havia sido atendida após denúncia de violência doméstica. Sérgio Borges, sargento da Polícia Militar do Distrito Federal, afirmou que a vítima estava com muito medo quando foi socorrida. 

Pedido de socorro
O funcionário que atendeu a mulher contou que, ao ver o bilhete, pediu que ela escrevesse o endereço e o telefone. Por medo de que o marido atendesse, ela passou apenas as informações de onde era mantida presa.  

A vítima também escreveu recomendações: "Se os policiais baterem, ele não vai atender. É para os policiais insistirem, pois ele vai fingir não estar em casa", escreveu. 

Diário do Nordeste