Nove em cada 10 pacientes de Santa Quitéria podem ter a nova variante do coronavírus, aponta Fiocruz

Nove em cada 10 pacientes de Santa Quitéria podem ter a nova variante do coronavírus, aponta Fiocruz


A circulação massiva da nova variante do coronavírus já é confirmada em Santa Quitéria. Estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) analisou 26 amostras de infectados com Covid no município: do total, 24 pacientes (92,3%) tiveram a presença da nova cepa confirmada. A cidade chama a atenção na alta incidência, junto com Fortaleza e Caucaia.

As amostras foram coletadas entre os dias 14 e 25 de fevereiro, sendo selecionadas por critério de qualidade para análise, como explica Eduardo Ruback, pesquisador em saúde pública da Fiocruz Ceará e coordenador de Biologia Molecular da Unidade de Apoio ao Diagnóstico da Covid-19. O pesquisador alerta que, diante da maior capacidade de transmissão, a nova variante “vai se sobrepor ao vírus original e ser a responsável por essa segunda onda de casos”.


“Fizemos os cortes de idade, sexo, raça/cor e localidade, mas são poucas amostras para se ter uma estatística segura detalhada. O dado principal é que temos estas variantes já circulando no Estado e, pelo retrato, em grande quantidade. Tem município que não teve nenhum caso, e outros que todas as amostras eram da nova variante”, revela.

Nas últimas semanas, Santa Quitéria vem em uma escalada crítica de casos agravados da Covid-19, com pacientes com quadro já bastante comprometidos no Hospital de Campanha e disputando leitos em outras cidades, como Crateús, Sobral e Fortaleza. A estatística de mortes também disparou, inclusive ontem (05), uma idosa da zona rural faleceu na porta do Hospital Regional Norte, por não haver vagas. O consumo de oxigênio no Hospital Municipal quadruplicou em março, em comparação com o mês anterior.

“A ciência continua preconizado que as principais formas de segurar a contaminação são as medidas de prevenção, com distanciamento social, uso de máscaras e higiene das mãos enquanto não pudermos ter uma cobertura vacinal mínima. Medidas que permitam não levar além do limite as estruturas de saúde”, pontua o cientista da Fiocruz.

Como identificar a nova variante
Marco Krieger, vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, explica que a fundação está fazendo o mapeamento de algumas variantes genômicas que estão associadas à maior transmissibilidade do coronavírus. “Uma dessas variantes no Brasil tem uma mesma característica identificada na inglesa e da África do Sul. Desenvolvemos um teste capaz de identificar essa mutação entre muitas que existem nos genomas virais. Os dados não podem ser negligenciados, é um sinal de alerta”, frisa.

O método de “triagem rápida”, como complementa Fábio Miyajima, pesquisador da Fiocruz Ceará, não é 100% conclusivo, mas determina quais as “prováveis amostras que tenham o conjunto de mutações da nova variante, P1, o que ajuda tanto no levantamento epidemiológico como na priorização de casos que devem ser sequenciados”.