Para suprir alta demanda, Santa Quitéria deverá ter usina de oxigênio hospitalar em até 35 dias

Para suprir alta demanda, Santa Quitéria deverá ter usina de oxigênio hospitalar em até 35 dias


Diante da agravada segunda onda de Covid-19 no município de Santa Quitéria, o consumo de oxigênio no Hospital Municipal Zezé Benevides e no Hospital de Campanha quadruplicaram ao longo das últimas semanas, conforme reportou o A Voz de Santa Quitéria em matérias anteriores. O iminente temor pela falta de insumo, considerando problemas de envasamento e logística nas principais distribuidoras do Estado, levou à Prefeitura Municipal a buscar medidas de emergência.

A prioritária, neste momento, é a instalação de uma usina para produção de gases medicinais. A estrutura será instalada para beneficiar os pacientes das duas unidades, reduzindo a dependência do município em relação ao mercado de oxigênio e vai aumentar a autonomia dos leitos clínicos garantindo o funcionamento de ventiladores pulmonares e outros equipamentos que são fundamentais, como os capacetes Elmo.

A Voz de Santa Quitéria confirmou, junto ao secretário de saúde Adeilton Mendonça, que técnicos da empresa responsável pela montagem já estiveram no local fazendo as medições e que a previsão para a entrega e início das operações se deem em aproximadamente 35 dias, todavia buscando esforços empenhados para reduzir ao máximo este prazo.

Nesta semana, a rede hospitalar local enfrentou o seu momento mais crítico no que se refere ao gás, tendo de abastecer seus cilindros na Santa Casa de Misericórdia de Sobral, bem como também em Canindé e Fortaleza. Em uma campanha mobilizada pelo grupo "Amigos do Bem", foram adquiridos algumas balas, que serão doadas à Secretaria de Saúde.