Tratamento de idoso com câncer avançado custa R$ 60 mil e família pede doações

Tratamento de idoso com câncer avançado custa R$ 60 mil e família pede doações


O idoso Ibevan Teófilo, de 68 anos, é um paciente com câncer em estágio avançado, cujo tratamento custa R$ 60 mil. Uma campanha virtual encabeçada pela filha, Sulamita, pede ajuda por meio de doações para a aquisição dos medicamentos necessários. Atualmente, Ibevan está em casa, à espera de uma vaga para cirurgia no Hospital Geral de Fortaleza (HGF) e de resposta da Justiça estadual em relação ao fornecimento do tratamento de alto custo.

A caminhada do idoso a frente ao câncer, foi iniciada há três anos. Ibevan retirou um sinal de pele em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Fortaleza, mas não realizou biópsia em seguida. Após um tempo, surgiu um nódulo perto da região onde o sinal estava e, mediante exames, foi descoberto um câncer em metástase, quando as células cancerosas se espalham para partes diversas do organismo. Depois de uma primeira cirurgia, o paciente começou a imunoterapia, tratamento de fortalecimento do sistema imunológico que a família conseguiu judicialmente.

O câncer continuou progredindo, embora lentamente. No começo do ano passado, Ibevan teve o braço esquerdo fraturado, depois que o osso do membro foi fragilizado por sessões de radioterapia. Ele foi operado no Instituto Dr. José Frota (IJF). Em seguida, com o início da pandemia de Covid-19, o idoso ficou sem o tratamento adequado. Outro tumor cresceu rapidamente em sua calota craniana e Ibevan precisou fazer radioterapia novamente. Em setembro, ele perdeu os movimentos dos membros direitos do corpo e apresentou dificuldades na fala e na memória.

Após uma ressonância, foi descoberto um novo tumor cerebral. Devido ao preço da cirurgia necessária para remoção do tumor, a família esperou atendimento do HGF e, “depois de muita luta”, como afirma Sulamita, a operação foi realizada. Porém, Ibevan apresentou sequelas: em estado de pânico, não conseguia dormir à noite. Neste momento, um novo tratamento foi receitado, pois a imunoterapia já não ajudaria o idoso. Segundo a filha, as duas caixas de medicamentos (Dabrafenib e Trametinibe) custam R$ 60 mil. Ela revela que já recorreu à Justiça estadual para o custeamento do valor, mas ainda não obteve retorno.

Enquanto pratica fisioterapia em casa, Ibevan toma morfina diariamente devido às dores no corpo. Seus movimentos estão limitados para evitar quaisquer fraturas nos ossos. Atualmente, encontra-se hemiplégico no lado direito do corpo. Em fevereiro deste ano, apresentou uma convulsão e, na quarta-feira (10), outro episódio, desta vez mais forte. Ibevan tem um novo tumor no cérebro e está na fila de espera por uma cirurgia no HGF.

Dada a tendência de rápido avanço da doença, Sulamita criou um perfil na rede social Instagram como forma de divulgar a situação do pai e arrecadar doações. Um financiamento coletivo também está disponível na plataforma Vakinha. Até a publicação desta matéria, foram arrecadados R$ 8.695,00.


Serviço
Para entrar em contato com a família de Ibevan, basta telefonar para (85) 99696-1570.
Para acessar a Vakinha, clique aqui.
Doações também podem ser enviadas por Pix, através da chave manoelteofilo53@gmail.com.

O Povo