Bebê faz 'V de vitória' em ultrassom e dá esperança a pai, que enfrenta câncer raro

Bebê faz 'V de vitória' em ultrassom e dá esperança a pai, que enfrenta câncer raro


Um bebê conseguiu transmitir esperança para o pai, ao fazer o sinal de 'V de vitória' com a mão, ainda no útero da mãe. Felipe Moreira, de 32 anos, morador de Guarujá (SP), enfrenta um câncer raro no baço e encarou o ultrassom do filho como um sinal divino. 

Felipe descobriu um tumor maligno de 20 cm no rim esquerdo, há nove meses, e precisou de uma cirurgia de emergência para retirar o órgão. “Antes da cirurgia, pedi para que Deus que não me levasse, porque meu sonho é ser pai. Um mês depois da cirurgia, minha mulher ficou grávida e vou ser pai”, afirmou ao portal G1.

Em um exame após a cirurgia, ele descobriu um novo tumor alojado em seu baço e começou um novo tratamento, no Hospital do Amor de Barretos. 

Segundo o Felipe, ele raramente conseguia acompanhar a esposa, Camila Ferreira, nas consultas do pré-natal, já que a quimioterapia o deixa debilitado e com imunidade baixa. 

“Dessa vez, ela insistiu para eu ir junto, e falei que não sabia se conseguiria. Na noite anterior, ela me perguntou de novo, mas disse que não sabia como ia acordar. De manhã, me senti um pouco melhor, e decidi ir junto”, conta. 

Outras surpresa
O pai acredita, pelo sinal divino, que vai conseguir superar o tratamento e enfrentar mais uma doença. Mas essa não é a primeira surpresa de seu filho. Ele conta que, logo após descobrir a gravidez da esposa, pedia em suas orações para que o bebê fosse um menino. Inicialmente, os médicos informaram que se tratava de uma menina, mas novos exames confirmaram a vontade de Felipe. 

“O filho que eu pedi para Deus foi para superar tudo isso que estou passando. Esse sinal foi para fechar com chave de ouro, para eu ter certeza que vou vencer. Se não tivesse ido, não teria visto isso, porque minha mulher não ia conseguir gravar. Aí, eu vou para o ultrassom e tem um sinal desse, parece que é para a minha fé aumentar. Me dá mais força para poder vencer o câncer. Com certeza, foi um sinal divino”, conta o pai. 

Diário do Nordeste