Céu de Santa Quitéria terá chuva de meteoros na madrugada de quinta (22); saiba como e onde observar

Céu de Santa Quitéria terá chuva de meteoros na madrugada de quinta (22); saiba como e onde observar


O céu azul marinho comum às noites de Santa Quitéria terá, entre hoje (21) e quinta-feira (22), rajadas iluminadas por uma chuva de meteoros, a “Líridas”. O fenômeno é comum no mês de abril, sendo mais visível em locais escuros e de céu limpo, a partir da meia noite.

“Para grande parte do Brasil, os meteoros vão começar a surgir após a meia noite e vão se intensificando até o amanhecer. Mas se não tiver disposição para acompanhar a noite inteira, o ideal é acordar por volta das 2h ou 3h e ficar até começar a clarear”, recomenda a Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon).

A Líridas é considerada a mais antiga e a primeira das grandes chuvas de meteoros do ano. A Bramon ressalta, porém, que “no Brasil, temos algo entre 7 e 15 meteoros por hora, mas apenas em locais escuros, afastados dos grandes centros urbanos”. Ainda assim, “é uma excelente oportunidade para encerrar a abstinência dos observadores de meteoros”.

Como assistir?
De acordo com Romário Fernandes, professor de Astronomia e tenente do Corpo de Bombeiros do Ceará, moradores de qualquer cidade cearense poderão visualizar a chuva de meteoros, mas há locais com maior probabilidade de avistamento.

A Bramon complementa que “desligar as luzes ao redor e bloquear as que não puder desligar ajudará a visão a se adaptar às condições de baixa luminosidade, tornando-a mais sensível”. A rede ressalta ainda que “na pandemia, o ideal é ver o fenômeno dentro de casa”.

Como ocorre a chuva de meteoros?
Popularmente conhecidos como “estrelas cadentes”, os meteoros são um “fenômeno luminoso que ocorre quando um pequeno fragmento de rocha espacial atravessa nossa atmosfera em altíssima velocidade”, como define a Bramon.

Já a Líridas, que iluminará o céu do Ceará nesta madrugada, ocorrerá, neste ano, entre 16 e 25 de abril, momento em que a Terra atravessa a trilha de detritos deixada pelo Cometa C/1861 G1 (Thatcher) em passagens anteriores pelo Sistema Solar Interior”. 

A chuva é visualizada no momento de maior intensidade, que, neste ano, ocorre na noite entre 21 e 22, “quando passamos pela região mais densa dessa trilha”.

O fenômeno é melhor observado nas últimas horas da madrugada, mas, na noite seguinte (entre 22 e 23), “também será possível observar alguns lirídeos no final da madrugada, mas em menor intensidade”, segundo a Bramon.

Diário do Nordeste