Efeitos da pandemia: Covid-19 se torna principal motivo para auxílio-doença do INSS

Efeitos da pandemia: Covid-19 se torna principal motivo para auxílio-doença do INSS


A pandemia da Covid-19 mudou a rotina dos trabalhadores e passou a ser o principal motivo para a concessão do benefício por incapacidade temporária pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social, segundo números do primeiro trimestre de 2021 levantados pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho.

Durante os primeiros meses deste ano, entre janeiro e março, 13.259 segurados do INSS precisaram se afastar do trabalho e receberam o benefício, antes chamado de auxílio-doença, devido a complicações de saúde geradas pela Covid-19. O número é quase o dobro do que a segunda principal causa de concessão do auxílio, a hérnia de disco, que levou 8.053 trabalhadores a receber o auxílio-doença.

Em 2020, o coronavírus já tinha alcançado o terceiro lugar no ranking de afastamentos, com 37.045 casos entre março e dezembro. Em primeiro lugar havia ficado o transtorno dos discos lombares (49.321 casos), seguido pela bursite e outras lesões na articulação do ombro (37.311).

Para se ter uma ideia, se comparar as médias mensais de afastamentos por Covid-19 de 2020 e de 2021, foram 3.704 concessões mensais do auxílio no ano passado, contra 4.420 neste ano, o que mostra um avanço de 19,3%.

Com o aumento nas solicitações, a fila para concessão dos benefícios aumenta. Só no Ceará, estão à espera de uma resposta do INSS 84.707 pedidos.

Ceará Agora