Pessoas dormem em fila da Caixa para regularizar acesso ao auxílio emergencial

Pessoas dormem em fila da Caixa para regularizar acesso ao auxílio emergencial


Pessoas dormiram na fila de uma agência da Caixa Econômica Federal na Avenida Francisco Sá, em Fortaleza, na madrugada desta quarta-feira (7), para tentar regularizar a situação do Auxílio Emergencial 2021. Outras pessoas estavam no local com objetivo de reservar uma vaga na fila para vender, o que é ilegal. Antes das 6h a fila já dobrava ao redor da Caixa da Avenida Francisco Sá. As pessoas que buscavam atendimento levaram papelões e cobertores para passar a madrugada na calçada e aguardar a abertura da agência.

O benefício, que começou a ser pago nesta terça (6), é creditado em conta poupança social digital da Caixa, que poderá ser usada inicialmente para pagamento de contas e compras por meio do cartão virtual. Saques e transferências para quem receber o crédito nesta terça serão liberados no dia 4 de maio (veja nos calendários mais abaixo). Várias agências da Caixa no Ceará registraram filas no primeiro dia de pagamento do auxílio.

Os primeiros a receber são os trabalhadores nascidos em janeiro e que não fazem parte do Bolsa Família. Para os trabalhadores que fazem parte do Bolsa Família, os pagamentos começam em 16 de abril. Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial, pelo site auxilio.caixa.gov.br ou pelo site do Dataprev, https://consultaauxilio.cidadania.gov.br/.

Segunda tentativa
Entre as pessoas que madrugaram no local está a costureira Vilani Rodrigues Teixeira, que chegou à agência por volta de 3h30. Conforme Vilani, essa é a segunda tentativa para tentar resolver o problema de acesso ao aplicativo Caixa Tem. Na terça, no primeiro dia do início o pagamento emergencial, ela compareceu à agência bancária acompanhada da irmã, porém não conseguiu resolver o problema. A costureira afirma que a situação está muito difícil e o benefício irá ajudar na renda da família. "A situação está muito ruim, porque eu trabalho costurando, tenho meu fornecedor parou, mas o fornecedor parou. As feiras estão fechadas, ele depende da feira e a gente também. Nós que costuramos em casa tínhamos um dinheirinho todo fim de semana e agora não tem mais", disse.

Venda de lugar na fila
O servente Roberto Carlos Correia dos Santos chegou à agência da Jacarecanga ainda na noite desta terça-feira (7), por volta das 20h. O homem afirma que foi chamado para guardar a vaga de uma pessoa que pagará R$ 20 a ele. Segundo Roberto, que vive em situação de rua, há cinco anos ele faz essa prática de guardar lugar na fila da agência e pretende usar o dinheiro que vai receber para comprar água para vender na rua. Na manhã de terça-feira a venda de filas já estava ocorrendo na agência bancária. A Polícia Militar chegou a ir ao local após receber denúncias.

G1 CE