Psicólogos em Santa Quitéria afirmam que pandemia desencadeia mudanças emocionais

Psicólogos em Santa Quitéria afirmam que pandemia desencadeia mudanças emocionais


Ainda em março de 2020, quando o Brasil começou a ser infectado pela Covid-19 e foi exigido medidas mais restritivas, especialistas em saúde mental passaram a usar o termo "quarta onda" para se referir à avalanche de novos casos de depressão, ansiedade e outros transtornos que poderiam ser desenvolvidos com a pandemia. Agora, durante a segunda onda de infecção do Novo Coronavírus, estudos realizados se concentram em alertar justamente para o medo de contrair a COVID-19, e como isso está afetando as pessoas em geral.

De acordo com o Psicólogo Pedro Ximenes, a saúde mental é um assunto que deve ser tratado em todos os períodos do ano, mas é possível observar, que o período pandêmico trouxe novos reflexos que acabaram adoecendo a população. Em Santa Quitéria, a busca por ajuda psicológica foi intensiva durante o fim da primeira onda, mais especificamente no período de instabilidade no município, devido ao desgaste de um longo ano pandêmico. 

“É notadamente que as pessoas estão mais ansiosas por infinitas questões, tanto por ser um problema falado, como por ser acentuado devido ao período de pandemia. Esse período pandêmico exige o que? Que fiquemos isolados, exige que nós restrinjamos mais ainda a circulação para que o vírus não prolifere e isso altera uma rotina, a tendência é que haja uma certa inadequação do nosso corpo com uma nova realidade”, analisa o psicólogo. 

Para o Psicólogo Alberto Martins, o motivo do aumento de compras desenfreadas é consequência do período pandêmico, e que as compras estão acontecendo devido as doenças psicológicas, como ansiedade e a compulsão. Além das compras, o aumento do uso de bebidas e entorpecentes também é um reflexo desse período. A busca desenfreada por informação, principalmente pela quantidade de pessoas infectadas diariamente desencadeou o adoecimento psicológico.

“Não tem como nós vivermos dentro de um círculo que circunda muita informação e todas elas são negativas, a gente vai adoecer. Já tive pacientes que já me citaram por volta de 7 a 10 sintomas dentre eles ansiosos, depressivos e principalmente do covid-19, meia hora depois de consulta, eles se levantaram e iam embora tranquilamente, não sentiam mais nada. Ou seja, tudo fruto de informação desencontrada, informações desenfreadas, de pessoas adoecidas e que estavam todos os dias adoecendo cada vez mais por conta de informação. É uma carga muito forte de informação, que precisa ser freada”, afirma o psicólogo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o Brasil é o país com mais pessoas ansiosas. De acordo com a psicóloga Adrina Soares, “as consequências do isolamento social tem muito a ver com as incertezas que a covid-19 nos traz. A mudança na rotina e a redução no contato físico e social com outras pessoas podem causar sobrecarga emocional, insônia, piora na saúde física, estrese, ansiedade, depressão e agressividade”.

Por fim, a psicóloga afirma que a busca por ajuda emocional nesse momento é muito importante, assim como a criação de uma rotina e evitar o excesso de notícias.