Santa Quitéria tem quase 9% de seu território em desertificação

Santa Quitéria tem quase 9% de seu território em desertificação


Ontem (15), foi comemorado o Dia Nacional da Conservação do Solo, o que não é o caso de comemoração de Santa Quitéria. Somado com a extinção da Secretaria de Meio Ambiente - que foi fundida com Obras -, o município tem a segunda pior situação do Ceará em área desertificada, ou seja, 8,11% das terras quiterienses (4,2 mil km²) já haviam perdido a capacidade produtiva por causa de processos contínuos de degradação do solo.

O índice pode ser ainda maior, pois o Estado já não dispõe de novos dados sobre o uso e ocupação do território há pelo menos cinco anos. O mau uso do solo por agricultores e a irregularidade de chuvas são os principais agravantes para o problema. Quem lidera o ranking de área desertificada é a vizinha cidade de Irauçuba, com 23,29% fortemente degradado. 


Embora os indicadores do último estudo tenham servido de alerta para as autoridades, até agora não houve a implantação de políticas públicas contínuas e efetivas voltadas à preservação do solo cearense. É o que avalia o vice-presidente da Associação de Engenheiros Agrônomos do Ceará e especialista em solos, recursos naturais e meio ambiente, Francisco de Assis Bezerra. “As terras são super exploradas, desmatadas e pouco cuidadas. Os agricultores precisam ser melhor orientados no processo de plantio e colheita, porque caso isso não ocorra eles mesmos são os mais prejudicados”, comenta.

O especialista também aponta a necessidade de o poder público investir em ações educativas e de assistência técnica para evitar o crescimento de áreas desertificadas no Ceará a médio e longo prazo. “Eu espero que as autoridades comecem a se interessar por esse problema. É algo que, se não tiver a devida atenção o quanto antes, poderá resultar em problemas muito maiores, como a queda na produção agrícola e o aumento da miséria nas zonas rurais do Estado, por exemplo”, completa.

Com informações do O POVO