Ceará começa vacinação contra a Covid-19 em professores na próxima semana, diz Camilo Santana

Ceará começa vacinação contra a Covid-19 em professores na próxima semana, diz Camilo Santana


Os professores das redes pública e particular de ensino do Ceará serão vacinados a partir da próxima semana, segundo anúncio do governador Camilo Santana pelas redes sociais. Os profissionais devem realizar o cadastro na plataforma Saúde Digital. A decisão foi tomada após reunião com Comitê de Enfrentamento à Covid-19, na tarde desta sexta-feira (21).

A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) informou que o tema será pauta da próxima reunião da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), encontro que deve definir detalhes da vacinação deste público. A inclusão dos profissionais da educação nas fases iniciais do Plano Nacional de Imunização (PNI) vinha sendo solicitada ao Ministério da Saúde desde o ano passado, mas sem resposta, segundo o governador.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"A vacinação dos nossos professores é a melhor forma para garantirmos mais segurança no retorno às aulas presenciais em todas as séries. Tenho convicção de que a educação é o melhor caminho para construirmos um estado mais justo, humano e desenvolvido", disse Camilo.

Retorno das aulas
Na quinta-feira (20), a justiça determinou que o Estado apresente, em até cindo dias, um planejamento de retomada das aulas presenciais para os alunos do 1º, 2º e 3º ano do Ensino Médio, além de  estabelecer que a volta às escolas ocorra em até 15 dias. Conforme a determinação, o retorno dos alunos dessa etapa deveria acontecer de maneira similiar aos "demais níveis já liberados, de forma híbrida, gradual e facultativa, observados os protocolos sanitários então vigentes".

A desembargadora Maria Nailde Pinheiro Nogueira, presidente do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), derrubou essa liminar que obrigava a volta às aulas presenciais de alunos do Ensino Médio no Estado. A decisão foi publicada no fim da tarde desta sexta-feira (21). Na justificativa, a desembargadora escreve que a decisão que obrigou o Estado a disciplinar o retorno às aulas em até 15 dias  "causa grave lesão à ordem e à saúde públicas" devido à situação epidemiológica do Ceará, além de poder "causar graves danos à logística estabelecida pelo Poder Executivo no combate à pandemia" de Covid-19. 

Diário do Nordeste