Cinco homens são denunciados por matar instrutor de surf e avô com o total de 25 tiros

Cinco homens são denunciados por matar instrutor de surf e avô com o total de 25 tiros


O Ministério Público do Ceará (MPCE) denunciou, na última terça-feira (4), cinco homens pelos assassinatos do instrutor de surf Davi Silva Sabino, de 22 anos, e do avô dele, Francisco Alexandre Filho, 70, registrados no bairro Varjota, em Fortaleza. Conforme a acusação, o grupo criminoso efetuou um total de 25 tiros nas vítimas.

"Os laudos cadavéricos atestam que a vítima Francisco Alexandre Filho foi atingida por sete projéteis de arma de fogo e que a vítima Davi Silva Sabino foi atingida por dezoito projéteis de arma de fogo em diversas regiões, que lhes causaram a morte", detalha a denúncia apresentada pelo MPCE à 3ª Vara do Júri, da Justiça Estadual, citando os laudos elaborados pela Perícia Forense do Ceará (Pefoce).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Caio de Lima Gois, o 'Layon'; Claudiano Severino de Arruda, o 'Sete'; Jefferson Rodrigues de Brito, o 'Natal'; João Vinícius Barros da Silva; e Lucas Clemente de Sousa, o 'Grande', foram denunciados por homicídio qualificado (com as qualificadoras de motivo torpe e uso de meio que dificultou a defesa das vítimas) e organização criminosa.

Jefferson ainda foi acusado do crime de uso de documento público falso, por ter sido preso na posse de uma identidade falsa. Quatro acusados foram presos em flagrante, enquanto 'Grande' permanece em liberdade, após ter se apresentado à Polícia Civil do Ceará (PCCE) e prestado depoimento. As defesas dos acusados não foram localizadas.

A denúncia do MPCE reforça a conclusão do Inquérito Policial do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de que o duplo homicídio foi motivado pela guerra entre duas facções criminosas, uma de origem cearense e a outra, carioca, pelo domínio do território para o tráfico de drogas, em Fortaleza.

Entretanto, o alvos dos criminosos era outro homem, o tio de Davi Sabino e filho de Francisco Alexandre Filho. Conforme as investigações, o homem havia acabado de deixar o presídio - após cinco anos preso por roubo - e estava na mesma residência dos familiares mortos, mas conseguiu fugir no momento da ação criminosa, deixando o aparelho celular para trás - que terminou apreendido pela Polícia. O alvo do ataque é suspeito de integrar a facção carioca e de tentar matar um rival, da organização criminosa cearense, no dia 11 de abril deste ano.

Na madrugada de 23 de abril, veio a retaliação: os criminosos arrombaram o portão da residência, localizada na Rua Dom Amaro, no bairro Varjota, e efetuaram dezenas de tiros - dos quais 25 atingiram Davi e Francisco. As vítimas não teriam relação com a criminalidade, e o instrutor de surf estaria na casa dos avós idosos para ajudar no cadastro dos mesmos na vacinação contra a Covid-19.

Guerra entre as facções
A investigação do DHPP aponta que o duplo homicídio do dia 23 de abril foi mais um episódio na guerra entre as facções cearense e carioca no bairro Varjota e adjacências. Nos dias anteriores, foram registrados mais um homicídio e cinco tentativas de homicídio.

'Natal' e 'Grande', acusados de matar Davi e Francisco, são apontados pela Polícia como lideranças da facção cearense na região do bairro Varjota. Entretanto, ambos negaram participação no crime e sustentaram que estavam em outros lugares.

Ainda segundo a Polícia Civil, 'Layon' tem a função de planejar e realizar homicídios no grupo criminoso e é filho de um membro da alta cúpula da facção, que está detido no sistema penitenciário cearense. Ele e os outros acusados também negaram participação nos assassinatos, em depoimento ao DHPP.

Diário do Nordeste