Juiz cassa diploma de prefeito e vice de Juazeiro do Norte por uso de helicóptero

Juiz cassa diploma de prefeito e vice de Juazeiro do Norte por uso de helicóptero


O juiz eleitoral da 28ª Zona Eleitoral do Ceará, Giacumuzaccara Leite Campos, decidiu nesta sexta-feira, 30, pela cassação dos diplomas do prefeito de Juazeiro do Norte, Glêdson Bezerra (Podemos), e de seu vice, Giovanni Sampaio (PSD), por abuso de poder econômico na eleição de 2020. Com isso, os gestores podem perder o mandato.

Na decisão, o juiz constatou o uso irregular de um helicóptero – que pertenceria ao empresário Gilmar Bender (PDT), aliado dos então candidatos – durante uma carreata da campanha de Glêdson realizada às vésperas das eleições. No evento, a aeronave teria inclusive despejado uma “chuva” de papel picado, que foi transmitida nas redes sociais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na decisão, o juiz afirma que, apesar de ter trazido aos candidatos "grande benefício, a ponto de tornar injusta e desproporcional a propaganda eleitoral", o uso do helicóptero não aparece na declaração de despesas de campanha de Glêdson e Giovanni. Neste sentido, ele destaca o alto custo com combustível para manter um sobrevoo longo do tipo.

Empresário que há vários anos tentava se viabilizar para a disputa pela Prefeitura de Juazeiro, Gilmar Bender chegou a se lançar pré-candidato ao cargo pelo PDT, no ano passado. Na época, no entanto, a indicação sofreu resistência de grupo do PDT e da base do governo Camilo Santana (PT), que pregava apoio à reeleição de Arnon Bezerra. "Escanteado" na disputa, Gilmar virou um dos principais apoiadores da candidatura de Glêdson Bezerra, realizando doações em R$ 255 mil para os candidatos.

A cassação é novo episódio em meio ao início de ano turbulento da gestão Glêdson Bezerra em Juazeiro do Norte. Em apenas quatro meses de governo, o prefeito já responde a três Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI) e um processo de cassação instalados pelo Legislativo do município. Ações envolvem acusações diversas, desde nepotismo, contratações irregulares a até “fura-filas” na vacinação contra Covid-19.

O POVO Online