Varjota apresenta alto índice de crianças infectadas com Covid-19 e Secretária faz apelo: ‘hoje foi um bebê de 2 anos, amanhã pode ser eu ou você’

Varjota apresenta alto índice de crianças infectadas com Covid-19 e Secretária faz apelo: ‘hoje foi um bebê de 2 anos, amanhã pode ser eu ou você’


Desde o início de maio até o último domingo, (23), 30 crianças de até 14 anos testaram positivo para Covid-19 em Varjota. A informação é da secretária da Saúde de Varjota, Patricia Ximenes, que informa que mais cinco realizaram teste na última segunda-feira, (24). O número de confirmações é superior às 27 que aparecem na plataforma IntegraSUS, da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa). A média até aqui, por qualquer dos indicadores, é superior a um diagnóstico positivo por dia.

De acordo com Patrícia, nesta terça (25), o Hospital do município recebeu uma criança de 2 anos que precisou ser transferida para o Hospital Regional de Sobral em estado grave. Conforme a secretária, o aumento pode estar relacionado à variante P1 do novo coronavírus e a transmissões dentro de casa. 

"Está havendo uma transmissão intradomiciliar muito grande. Os adultos estão adoecendo e se isolando em casa, mas não se isolam das demais pessoas da casa. Todo um cuidado que foi tomado na primeira onda, como ficar isolado em um cômodo e comer em utensílios e horários diferentes, não tem mais", analisa a secretária da Saúde de Varjota, Patricia Ximenes. "Além disso, estamos ladeados por municípios que já tem confirmação da variante P1 e ela é mais transmissível, isso também influencia." 

Em áudio, a gestora também reforça que não adianta reclamar das ações da Secretaria de Saúde, se a população não faz sua parte. “A gente vê as notícias, os comentários da população, os julgamentos precipitados... Não adianta você está expondo nas redes sociais que precisa usar máscara, manter um distanciamento social, cobrando da Secretaria da Saúde, se a própria população não estar fazendo seu dever de casa. Essas pessoas que criticam nas redes sociais, são as mesmas que estão em festas clandestinas, que estão aglomerado na rua e circulam sem máscara. O nosso papel não é organizar fila porque todo mundo já entende seu papel na sociedade em relação ao combate a Covid”, afirma. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Eu peço mais uma vez, a colaboração dos comerciantes, da população... Nós estamos recebendo muitas reclamações sobre pacientes que vão até a unidade de saúde sem máscara, que não respeitam o profissional que estão ali para cuidar da população. Chegou em um ponto que está sendo inadmissível esse comportamento. Hoje foi uma criança de 2 anos, mas amanhã pode ser eu ou qualquer ouvinte que está nesse momento nos escutando”. 

Lockdown
Em relação a um possível novo lockdown, Patrícia ainda afirma que a medida não está descartada. “Nós vamos sentar com o prefeito, o procurador e promotor do município, se for necessário vamos sim tomar medidas mais drásticas. A gente não quer atrapalhar a economia, mas se a população não nos ajudar, infelizmente a gente vai ter que tomar novas medidas”, assegura.

A Secretária conta que atualmente recebe inúmeras críticas sobre o acompanhamento da Secretaria, porém, de acordo com ela, os pacientes que procuram as unidades de saúde deixam o número e endereço errado para não serem monitorados. “É inadmissível que a gente seja colocado a prova e criticado por um erro da própria população. Se você não quer fazer o monitoramento, informe ao enfermeiro”. 

Por fim, Patrícia relembra que a Covid-19 tem sido dinâmica e está se agravando de uma forma mais rápida, portanto é necessário seguir ainda todas as medidas de segurança. Ela ainda pontua que a gestão está procurando ao máximo equipar o Hospital e estão aguardando novos equipamentos para melhorar o atendimento de casos mais graves.