Adolescente de 17 anos finge ser médica e é apreendida pela polícia

Adolescente de 17 anos finge ser médica e é apreendida pela polícia


Uma adolescente de 17 anos foi apreendida pela Polícia Militar de Florianópolis, na última segunda-feira (31), após ter sido flagrada se passando por médica no Hospital Governador Celso Ramos. A jovem contava histórias distintas para convencer os profissionais do local que era uma médica-residente e chegou a acompanhar pacientes. 

A postura da jovem durante as semanas que passou infiltrada no hospital levantou suspeitas para uma médica do local, que notou suas incoerências técnicas. Mas, além da imprecisão médica, a jovem contava histórias infundadas para se passar como uma residente do local.

Entre diversas incoerências, a jovem alternava o nome das universidades em que estudava, mas utilizava jaleco de apenas uma, enquanto, durante o período da pandemia de covid-19, apenas estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina estão sendo admitidos no hospital.  

A médica, desconfiada com a história de plano de fundo da garota, decidiu entrar em contato com a UFSC, para conferir se ela era de fato uma estudante de medicina. Entretanto, o nome não foi encontrado na lista de estudantes da universidade, indicando a falsidade ideológica.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mesmo com a negativa com a UFSC, a médica denunciante procurou outras universidades em que a garota dizia estudar e, dessa vez, encontrou registros de que ela teria se matriculado em dois cursos de enfermagem, mas não deu prosseguimento neles.  

Após colher as evidências de que a adolescente estava mentindo, a médica avisou a direção do hospital, que acionou a Polícia Militar e a família da garota para irem até o local, onde ela foi apreendida. 
Segundo a Polícia Militar, a jovem estava vestindo um jaleco com o próprio nome bordado e utilizando um crachá que pertencia a outra médica para acessar o hospital. Ela portava até um receituário médico, que também foi apreendido. 

A irmã da adolescente disse à NSC que a suspeita tem problemas psiquiátricos e já conta com um histórico de se passar por outrem para enganar as pessoas. 

Não há informação do tempo exato que a adolescente passou infiltrada no local. No entanto, suas redes sociais eram repletas de fotos nas dependências do Hospital Governador Celso Ramos e contavam com publicações feitas aos domingos, simulando supostos plantões que ela daria no local. 

A Secretária de Estado da Saúde informou que maiores detalhes de como a jovem conseguiu se infiltrar no hospital estão sendo investigados "pelas autoridades competentes". A adolescente, por sua vez, deve responder judicialmente por falsidade ideológica e exercício ilegal da medicina. 

UOL Notícias