Casal é encontrado morto em apartamento após intoxicação por vazamento de gás

Casal é encontrado morto em apartamento após intoxicação por vazamento de gás


Um casal foi encontrado morto em um apartamento no Leblon, Rio de Janeiro, na noite da última terça-feira, (22). Os corpos de Matheus Correia Viana e de Nathalia Guzzardi Marques, ambos de 30 anos, estavam caídos no box do banheiro. 

De acordo com o portal G1, informações preliminares da 14ª DP indicam que a causa da morte foi intoxicação por um vazamento de gás. Não há sinais de que a residência tenha sido arrombada ou invadida. O banheiro possui gás encanado, e o chuveiro estava aberto quando os corpos foram encontrados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Matheus e Nathalia eram procurados pelos amigos e parentes desde segunda-feira, 21, quando deram notícias pela última vez. Colegas de Matheus foram até a casa dele, abriram a porta e acionaram os bombeiros ao vê-los desacordados.

Os corpos foram retirados às 5h desta quarta-feira, (23), e levados para o Instituto Médico-Legal (IML), onde devem passar por perícia.

Amigos encontraram casal
Segundo policiais militares, os bombeiros foram chamados por volta de 22h por amigos de Matheus que, estranhando o desaparecimento, foram até o imóvel, localizado na rua Bartolomeu Mitre. O imóvel possui uma fechadura eletrônica, e os colegas dele tinham a senha.

Dentro da casa, um deles ligou para os bombeiros e afirmou que o casal estava desacordado. Minutos depois, a mesma pessoa fez outro telefonema e disse que os jovens estavam mortos.

 Segundo familiares, Nathalia chegou a almoçar com a mãe na segunda e pediu que ela buscasse o filho, de 8 anos.

Depois disso, ela não deu mais notícias. Na terça-feira, 22, Nathalia, que é psicóloga, faltou a um atendimento que deveria prestar em uma clínica na Freguesia, bairro na Zona Oeste do RJ.

“Nathalia era uma pessoa maravilhosa. Boa mãe, boa profissional, linda por dentro e linda por fora. A gente está muito em choque. Todas as pessoas da nossa família, os amigos. É até difícil ter palavras neste momento”, afirma uma prima.

O Povo