'Descobri que estava morto': Homem não consegue provar ao governo que está vivo

'Descobri que estava morto': Homem não consegue provar ao governo que está vivo


"Eu descobri, em 2017, que eu estava morto. De lá para cá, só correria para ver se eu ressuscito”. O relato é José Raimundo Damasceno Costa , um agricultor da zona rural de Pedrão, na Bahia, que, desde 2017, tem seu nome no Sistema Informatizado de Controle de Óbitos (Sisobi) do governo. De lá pra cá, ele tenta provar que está vivo.

“Eu chego na rua e as pessoas brincam. É 'morto-vivo', 'já morreu', 'finado', 'defunto'. Agora, até que eu já me acostumei, só me chamam assim mesmo. Brigar com ninguém eu não vou, aí eu levo na graça".

Segundo informações do G1, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) alega que o erro se deu porque o CPF de José Raimundo foi colocado na Certidão de Óbito da mãe dele, e que só depois que o documento fosse atualizado o problema poderia ser resolvido. O agricultor, porém, diz que a informação do INSS não é verdadeira e afirma que não há esse registro no documento da mãe dele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com os documentos alegando sua morte, José Raimundo não consegue receber seus benefícios sociais, já que também está "morto" para os bancos. Em outros documentos, ele segue vivo. Em 2017, o agricultor se casou e, portanto, tem em mãos sua Certidão de Casamento. Ele também vota em todas as eleições, e tem comprovantes dos votos desde 2012.

“Eu não aguento mais essa situação, é difícil Estou contando com a ajuda de Deus e minha família. É muito difícil, não é brincadeira. E só Deus sabe a minha situação, o que eu estou passando” diz José Raimundo, que afirma já ter feito todos os procedimentos requeridos pelo governo para regularizar sua situação — e nunca obteve sucesso. “Me sinto um inútil, sem valor nenhum. Porque um morto, que valor tem? O morto está esquecido, não é?”, lamenta.

Último Segundo